03 de agosto de 2021 Atualizado 12:12

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

covid-19

Sete estabelecimentos são flagrados funcionando irregularmente em Americana

Gama fechou comércios com frequentadores sem máscaras e funcionando fora do horário permitido

Por Isabella Holouka

20 jun 2021 às 17:20 • Última atualização 21 jun 2021 às 13:54

A Gama (Guarda Municipal de Americana) deu continuidade na noite deste sábado (19) e madrugada de domingo (20) na operação de apoio à Uvisa (Unidade de Vigilância em Saúde) que consiste na fiscalização de estabelecimentos comerciais funcionando sem o cumprimento das medidas de segurança previstas no Plano São Paulo de contenção da pandemia da Covid-19.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Entre 19h40 de sábado e 1h15 de domingo, sete estabelecimentos comerciais foram fechados após serem flagrados sem documentação, funcionando fora do horário permitido ou com frequentadores sem máscaras. Na noite anterior, conforme publicado pelo LIBERAL, foram 13 estabelecimentos vistoriados e oito autuados.

As fiscalizações acontecem em um momento em que Americana tem hospitais lotados, e alta na quantidade de casos e óbitos pela Covid-19. A agressividade das variantes em circulação e a falta de medidas restritivas podem prolongar o grave cenário.

Nesta semana, após os hospitais baterem recorde de internações pelo terceiro dia consecutivo, a intensificação da fiscalização de bares e casas noturnas foi defendida pelos vereadores de Americana.

Em entrevista à imprensa, o Prefeito Chico Sardelli prometeu intensificar as ações contra estabelecimentos que promovam aglomerações.

Em ação da Gama na Rua Hermínio Sacilotto, na Vila Santa Maria, às 19h40, uma casa de massagem foi autuada e teve as atividades encerradas devido ao funcionamento sem documentação, além do fato de haver no local pessoas consumindo bebidas e não utilizando máscaras no local.

Por volta das 20h25, um bar na Rua Gonçalves Dias, na região central, foi autuado por estar aberto apesar de processo de interdição ainda em vigor. Os frequentadores estavam sem máscaras e foram evacuados, já que o estabelecimento teve as atividades encerradas.

Às 22 horas foi a vez de um bar localizado na Rua Ettore Gobbo, no Jardim Paulista. O estabelecimento foi autuado pelo não cumprimento do horário de funcionamento estabelecimento pelo Plano São Paulo, e teve as atividades encerradas.

Na Avenida Brasil, em um intervalo de 20 minutos, entre 22h26 e 22h46, dois estabelecimentos comerciais foram autuados e tiveram as atividades encerradas, um bar e uma loja de conveniências. O primeiro não tinha pessoas no interior do estabelecimento, mas comercializada bebidas na área externa.

À meia noite e 50 minutos, na Rua Elizete Cardoso, na região do Parque Residencial Jaguari, um bar foi autuado e teve as atividades encerradas.

Já às 1h15 da madrugada, na Avenida da Saudade, a atendente da loja de conveniências de um posto de combustíveis se recusou a se identificar ou fornecer documentos do estabelecimento, mas o local acabou sendo autuado e fechado.

Outro lado

A Bull Club, uma das autuadas, que fica na Rua Gonçalves Dias, afirmou que a autuação da Vigilância Sanitária foi desnecessária. Segundo o diretor artístico do local, Gabriel Paschoalin, o estabelecimento segue a risca todos os procedimentos sanitários.

“Temos registros em fotos de que, além de o estabelecimento estar com poucas pessoas, todas estavam distantes, sentadas e utilizando máscara”, comentou, em nota enviada ao LIBERAL.

Publicidade