03 de agosto de 2020 Atualizado 22:15

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Polícia

DIG de Americana identifica suposto sequestrador de Emily Bello

Paulo Cesar da Silva Santos, de 28 anos, teria mantido a menina, que ficou desaparecida entre o último domingo e esta quinta, em um apartamento em Sumaré

Por Rodrigo Alonso

10 jul 2020 às 20:36 • Última atualização 11 jul 2020 às 08:19

A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Americana identificou nesta sexta-feira (10) o homem que teria sequestrado a menina Emily Bello Soares da Silva, de 11 anos, moradora de Santa Bárbara d’Oeste. Trata-se de Paulo Cesar da Silva Santos, de 28 anos.

Paulo Cesar da Silva Santos, de 28 anos – Foto: DIG de Americana / Reprodução

Com a ajuda de Emily e de sua família, investigadores encontraram, por volta das 16 horas, o local onde ele teria mantido a garota em cárcere privado. É um apartamento localizado em Sumaré, no Condomínio Praças de Sumaré, no bairro Jardim Santa Maria. As informações são da DIG.

O imóvel está no nome da irmã do suspeito, mas ela não aparece no local há três meses, conforme informações colhidas pelos policiais no condomínio.

No entanto, ainda havia fotos e roupas dela no apartamento. Também tinha fotos de Paulo Cesar. O local e o homem foram reconhecidos por Emily, que acompanhou a polícia na ação desta sexta, segundo José Donizeti de Melo, delegado da DIG.

Caso seja encontrado, o sujeito deverá ser preso por cárcere privado. A Polícia Civil também espera o resultado de um exame de corpo de delito que vai apontar se a menina sofreu abuso sexual, segundo a DIG.

Investigadores apontaram que o apartamento está todo mobiliado e organizado. A geladeira, porém, estava vazia. Havia apenas biscoitos. Peritos do Instituto de Criminalística também compareceram no local.

Os investigadores afirmaram ter informações de que o homem tinha passado pelo apartamento na manhã desta quinta, por volta das 7 horas, com sua moto Honda CG 150 Titan KS preta. A DIG, agora, está levantando imagens com o síndico do condomínio.

Conforme o LIBERAL noticiou nesta sexta-feira, até a noite desta quinta, Emily não lembrava a localização do imóvel. Mas, nesta sexta, a menina começou a se lembrar do caminho.

Então, ela e a mãe se dirigiram para o posto da PM (Polícia Militar) no Zanaga, em Americana, onde relataram que as lembranças estavam vindo à tona. Como isso se trata de um assunto da Polícia Civil, o comando da companhia acionou a DIG.

O CASO
Emily desapareceu na madrugada do último domingo, por volta das 0h30, quando saiu de casa, no Jardim Europa, com um homem maior de idade. O encontro teria sido combinado pelas redes sociais. Ela foi encontrada na manhã desta quinta, em um posto de combustível da Praia Azul, em Americana.

Segundo Emily, o homem a manteve em cárcere privado nesses quatro dias. Ainda de acordo com a menina, o sujeito a mandou sair do cativeiro após ter visto, na televisão, uma reportagem sobre o desaparecimento dela. Ela contou que a repercussão do caso o deixou com medo.

Emily disse que saiu do local na madrugada de quinta, a pé e sozinha, andou pela Rodovia Anhanguera (SP-330) e parou no posto de combustível da Praia Azul. Ela teria percorrido, então, uma distância de aproximadamente dez quilômetros.

Podcast Além da Capa
Por quais razões a recomendação de manter o isolamento social permanece como a maneira mais difundida no combate ao novo coronavírus, mesmo com mais de 100 dias de quarentena e com a retomada da produção econômica em curso?