20 de junho de 2021 Atualizado 20:54

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Sedã

Novo Honda City evolui e fica parecendo versão menor do Civic

No geral, a aparência é a clássica, mas traz diversos detalhes que o deixam moderno e realmente atraente

Por Jorge Blancarte / Auto Press

15 Maio 2021 às 09:27

Ao longo de seis gerações, a Honda conseguiu colocar nas ruas 4 milhões de unidades do City em todo o mundo. Por conta da importância deste carro, a marca japonesa renovou-o para um sétimo estágio, que foi revelado na Tailândia no final de 2019.

Devido à pandemia, a Honda atrasou a chegada do sedã compacto em diversos mercados. No Brasil, o modelo, que é produzido desde a quinta geração, deveria ter sido renovado no início deste ano, mas por conta da Covid-19 os planos foram adiados.

Agora, a nova configuração hatch do modelo – que vai ocupar a faixa de mercado atual do Fit – deverá ser mostrada em novembro, enquanto a versão sedã fica para janeiro de 2022, vindo na sequência a nova geração do Fit, que será o primeiro modelo híbrido da Honda produzido no Brasil.
No México, porém, o modelo sedã desembarcou, vindo da Tailândia e foi avaliado na versão mais equipada – que custa por lá o equivalente a R$ 97 mil. O Honda City equivalente custa no Brasil R$ 98.700 hoje.

A nova geração do sedã oferece um design completamente renovado, que o faz parecer um pequeno Civic. No geral, a aparência é a clássica, com os três volumes bem-definidos, e traz diversos detalhes que o deixam moderno e realmente atraente.

Novo Honda City – Foto: Divulgação

Como um bom produto japonês, o City oferece alta qualidade de construção, mas não é requintado. Os plásticos nos painéis da porta e na parte superior do console central são duros, mas com uma textura tipo orvalho para ficar fosca.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Entre os equipamentos de comodidade, destaca-se a chave presencial para abertura das portas e ignição, com acionamento do motor por botão. No interior, o sedã conta com duas entradas USB e três tomadas de 12 volts para carregar dispositivos.

Novo Honda City – Foto: Divulgação

No sistema multimídia, o sedã tem uma tela sensível ao toque de 8 polegadas, com uma interface fácil de usar. Ele pode ser vinculado a um smartphone sem qualquer problema via cabo com Android Auto ou Apple CarPlay, e traz rádio, áudio de quatro alto-falantes e bluetooth. A tela também projeta a imagem da câmera de ré, que oferece três displays.

Na Tailândia, este Honda City foi lançado com duas motorizações. A mais interessante, certamente, foi a 1.0 turbo de três cilindros, que rende 122 cv e 17,6 kgfm. Para o México, no entanto, a Honda apostou na manutenção do motor usado na geração anterior – o que deve se repetir em relação ao mercado brasileiro.

Novo Honda City – Foto: Divulgação

Trata-se do 1.5 aspirado com quatro cilindros. Agora ele rende 120 cv, com 14,8 kgfm de torque. No Brasil, este propulsor tem 115 cv e 15,3 kgfm de torque. A transmissão é manual de seis velocidades – na geração atual são cinco marchas ‑ ou um CVT automático com seis marchas.

CONCORRÊNCIA
O novo City encara um segmento bem concorrido, com rivais muito fortes, como Chevrolet Onix Plus, Nissan Versa, Volkswagen Virtus – no Brasil, ainda tem o Fiat Cronos e o Hyundai HB20S.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O sedã da Honda tem boas qualidades para esta disputa, mas segue uma tradição de não apostar muito nos equipamentos de segurança. Além dos obrigatórios airbags frontais, ABS e controle de estabilidade, ela traz somente airbags laterais e de cortina, assistente de partida em rampa e o Honda Lane Watch, que projeta na tela do multimídia a pista da direita quando a seta é acionada. Nada que impressione.

Publicidade