16 de abril de 2024 Atualizado 17:53

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

motocicleta

Nova Honda XRE 300 adota o sobrenome Sahara e ganha em tecnologia, preço e visual

Modelo precisava se reposicionar para encarar a concorrência, principalmente da Yamaha XTZ 250 Lander

Por Eduardo Rocha / Auto Press

02 de dezembro de 2023, às 11h32 • Última atualização em 02 de dezembro de 2023, às 11h33

A Honda aproveitou a entrada em vigor do padrão de emissões M5 do Promot para renovar logo sua trail média XRE 300. E o motivo é simples: precisava reposicionar o modelo, em função da feroz concorrência, principalmente da arquirrival Yamaha XTZ 250 Lander.

Modelo ganhou o tradicional sobrenome Sahara e chega este mês as concessionárias – Foto: Divulgação

A nova XRE 300 ganhou o tradicional sobrenome de Sahara e chega ao mercado em dezembro em três versões. Os preços são bem mais atraentes que os da antecessora – que no mercado eram vendidas por volta de R$ 30 mil.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

A versão Standard, sempre em cinza metálico, sai por R$ 27.090; a Rally, em vermelho, por R$ 27.690; e a Adventure, em bege metálico, por R$ 28.650 – a diferença de preço entre as versões se restringe a acessórios.

Nada foi mantido

Além do nome e do tamanho aproximado, quase nada da antiga XRE 300 foi mantido. A Sahara traz um novo chassi de berço semiduplo em aço carbono, baseado no usado na CRF 250F.

Já o motor é completamente diferente e se origina da mesma família do usado na CB 300F Twister.

Trata-se de um motor com menor diâmetro e maior curso do pistão, para conseguir um ganho de potência que pudesse compensar a restrição nas emissões.

Motocicleta passou por um processo de modernização – Foto: Divulgação

Apesar de todo o trabalho de contenção de perdas, ele rende um pouco menos que o antigo propulsor. São 24,8/25,2 cv 5.750 rpm e 2,70/2,74 kgfm a 7.500 giros, com gasolina e etanol – em média, 0,5 cv e 0,05 kgfm a menos.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região.

A diferença agora é que o torque ficou maior na faixa entre 3 mil e 6 mil giros. Um outro ganho é a saída de cena do antigo câmbio de cinco marchas para a adoção de um novo, com seis velocidades e embreagem assistida e deslizante – que segundo a Honda reduziu não só o consumo como os ruídos.

Nesse processo de modernização, a Sahara passa a contar com um novo painel digital LCD Blackout com velocímetro digital, conta-giros analógico, relógio, indicador de marcha, do nível de combustível e da tensão da bateria e computador de bordo, além das luzes-espia tradicionais.

A Sahara ainda traz porta USB-C ao lado painel, sistema ESS – Emergency Stop Signal, que aciona automaticamente os piscas em frenagens bruscas – iluminação full-led e pisca-alerta.

Estilo dos modelos maiores

As linhas da Sahara seguem o estilo dos modelos maiores da marca, com a eliminação do antigo – e inútil – bico de pato sob o farol.

Com a frente mais verticalizada, o modelo ganha um aspecto mais robusto e valoriza a presença da roda dianteira de 21 polegadas.

O conjunto formado pelo reservatório de combustível, banco e laterais emprestam mais porte pelo grande volume na parte superior do modelo.

O tanque comporta 13,8 litros. Na traseira, todas as versões trazem um bagageiro.

Publicidade