24 de julho de 2024 Atualizado 19:18

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

luxo

Audi Q6 e-tron, SUV elétrico que chega ao Brasil ainda em 2024, inova na estética e dinâmica

Para os padrões brasileiros, trata-se de um modelo médio-grande que vai brigar com os conterrâneos Mercedes-Benz EQE e BMW X

Por Ricardo Beristáin Martínez / Auto Press

06 de julho de 2024, às 08h32

A Audi escolheu a cidade de Bilbao, na Espanha, para a primeira apresentação do SUV 100% elétrico Q6 e-tron. Para os padrões brasileiros, trata-se de um modelo médio-grande que vai brigar frontalmente com os conterrâneos Mercedes-Benz EQE e BMW X1. Pelo menos no lançamento, a Audi adotou uma política um pouco mais agressiva em relação ao preço, que fica quase 10% abaixo de seus rivais diretos.

O modelo deve chegar ao mercado no último trimestre de 2024 com valores em torno de R$ 650 mil – Foto: Audi/Divulgação

O preço inicial do Q6 e-tron é de 77.400 euros contra 84.200 euros do iX e 84.900 euros do EQE. No Brasil, o modelo deve chegar ao mercado no último trimestre de 2024 com valores em torno de R$ 650 mil.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Com o Q6 e-tron, a Audi passa a adotar uma nova forma de nomear seus modelos, deixando números pares para versões 100% elétricas e números ímpares para veículos com motor de combustão interna, híbridos ou não.

Essa mudança deve afetar SUVs como Q2 e Q8 com motores a combustão e sedãs A4, A6 e A8 a partir da chegada de novas atualizações.

PLATAFORMA

Além da nova nomenclatura, o Q6 e-tron é o primeiro modelo da marca a utilizar a plataforma PPE (Premium Electric Platform), desenvolvida em conjunto com a Porsche, e que é também a base do novo Porsche Macan EV.

Aliás, o crossover da Audi é responsável também por inaugurar algumas novidades na linguagem de design da marca.

Na frente destaca-se o grupo de luzes divididas, com leds diurnos e de posição colocados na parte superior e faróis principais logo abaixo, na parte central do para-choque.

Também se destaca a grande grade frontal, uma marca clássica da fabricante alemã, com trama em forma de colmeia e sem abertura.

O painel de instrumentos tem tela de 11,9 polegadas, enquanto a central multimídia é de 14,9 polegadas – Foto: Audi/Divulgação

A traseira recebeu novos elementos de design. As lanternas horizontais são interligadas por uma barra iluminada que percorre toda a largura da carroceria. Essa solução torna o visual do SUV elétrico mais musculoso.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região!

O carro conta ainda com uma assinatura digital ativa, com gráficos de iluminação que podem ser personalizados por meio de um aplicativo de smartphone.

TAMANHO

Em relação às dimensões, o SUV foge um pouco dos padrões da categoria. Ele mede 4,77 metros de comprimento, 1,99 m de largura e 1,64 m de altura. No comprimento o SUV da Audi é 6 cm menor que o da Mercedes e 18 cm mais curto que o da BMW.

A distância entre-eixos, de 2,89 m, também é cerca de 10 cm menor que EQE e iX. Ainda assim, o espaço interno do Q6 é bastante generoso, principalmente no banco traseiro.

O painel de instrumentos digital tem tela de 11,9 polegadas, enquanto a central multimídia é de 14,9 polegadas.

O modelo conta ainda com um head-up display com realidade aumentada e uma terceira tela, de 10,9 polegadas, destinada ao passageiro dianteiro. O conjunto recebe o nome de Digital Stage e exigiu o desenvolvimento de uma rede de transmissão de dados totalmente nova.

Um ganho em usabilidade é que agora os controles do ar-condicionado não são mais controlados pela tela e voltam a ser por botões físicos. Por fim, a iluminação ambiente em toda a cabine é configurável.

Na versão intermediária, a autonomia média é de 582 km – Foto: Audi/Divulgação

PROPULSOR

Na parte de motorização, o Q6 e-tron tem três configurações. A de entrada rende 225 kW (306 cv) com torque de 49,4 kgfm e tração traseira. Ele faz de zero a 100 km/h em 6,7 segundos com máxima de 210 km/h e tem autonomia média no WLTP de 596 km.

Já a versão intermediária, que deve ser a escolhida para o Brasil, gera 285 kW (382 cv), com 59,2 kgfm e tração integral, com zero a 100 km/h em 5,9 segundos e máxima de 210 km/h. A autonomia média é de 582 km.

A motorização mais forte, também com tração integral, tem potência de 380 kW (510 cv), no entanto o torque e a autonomia são iguais às da versão intermediária: 59,2 kgfm e 582 km. No entanto, ele é mais rápido e veloz: zero a 100 km/h em 4,3 segundos e máxima de 230 km/h.

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

Publicidade