24 de junho de 2024 Atualizado 17:34

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Santa Bárbara

Delegado que indiciou família de Santa Bárbara por hostilidades contra Moraes é nomeado para cargo na Europa

Nomeação de Thiago Severo de Rezende apareceu no Diário Oficial em 28 de maio, uma semana antes do indiciamento

Por Agência Estado

04 de junho de 2024, às 15h33 • Última atualização em 04 de junho de 2024, às 18h04

O delegado da PF (Polícia Federal) Thiago Severo de Rezende, responsável pelo indiciamento do empresário Roberto Mantovani, a mulher dele, Andréia Munarão, e o genro do casal, Alex Zanatta, moradores de Santa Bárbara d’Oeste, nesta segunda-feira (3), acusados de hostilizar o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes, foi nomeado para um cargo em uma missão de dois anos em Haia, na Holanda.

A nomeação de Rezende foi publicada no Diário Oficial de 28 de maio, apenas uma semana antes do indiciamento feito por ele, nesta segunda, 3. A investigação sobre a suposta hostilidade que Moraes sofreu no aeroporto de Roma, na Itália, em julho do ano passado, havia sido encerrada pelo delegado que conduzia o inquérito, em fevereiro deste ano.

Imagem do momento em que Roberto Mantovani teria agredido o filho de Moraes – Foto: Reprodução

Em Haia, Rezende vai exercer a função de Oficial de Ligação junto ao Serviço Europeu de Polícia (Europol), cargo para o qual foi nomeado em 16 de maio pelo diretor-geral da PF, Andrei Passos Rodrigues. O delegado terá o direito de ser acompanhado pelos dependentes dele e não há informações sobre o salário que irá receber. A PF foi procurada para prestar a informação, mas não respondeu até a publicação deste texto.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Na conclusão do inquérito, a PF aponta que o empresário Roberto Mantovani Filho cometeu crime de “injúria real” por agredir o filho do magistrado, entretanto, ninguém havia sido indiciado. A justificativa foi a de que não foi possível cravar se houve troca de ofensas, já que as imagens das câmeras do aeroporto não têm som.

Depois que a PF apresentou o relatório final da investigação, a PGR (Procuradoria-Geral da República) pediu um novo interrogatório de Mantovani para saber se ele manipulou o vídeo da confusão. Na prática, o pedido reabriu o inquérito. Rezende, então coordenador de contra-inteligência da PF, assumiu o caso em abril.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região!

Em sua decisão pelo indiciamento, o delegado afirmou que, mesmo que o áudio das filmagens não esteja disponível, “todas as circunstâncias que envolvem o fato vão de encontro com a versão apresentada pelos agressores”. Em depoimento à PF em julho do ano passado, Moraes afirmou que foi chamado de “bandido, comprado e fraudador de urnas”.

A defesa da família afirmou que recebeu a notícia com “perplexidade e enorme surpresa”. “Recorde-se que ela (nova manifestação) nasce da mesma Polícia Federal que, não faz muito, opinou expressamente pelo arquivamento das investigações! Destaque-se: essa drástica mudança acontece sem que nada de novo, nenhuma outra prova, tenha sido juntada aos autos.”

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

Publicidade