Operação desmantela quadrilha especializada em tráfico de drogas

Homens foram detidos em Hortolândia e Santa Bárbara d’Oeste, nesta terça-feira, e são acusados de abastecer um grupo que atuava em Capivari


Em operação conjunta, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), do MP (Ministério Público), e a UIP (Unidade de Inteligência Policial), do Deinter-9 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior 9,) prenderam nesta terça-feira 20 pessoas acusadas de integraram uma organização criminosa especializada em tráfico de drogas na cidade de Capivari.

Três dos suspeitos residiam na RPT (Região do Polo Têxtil) e foram detidos em Americana, Hortolândia e Santa Bárbara d’Oeste. Os moradores destas duas últimas cidades eram responsáveis por abastecer com entorpecentes o grupo, que comandava diversos pontos de tráfico em Capivari, segundo o Gaeco.

Batizada de Operação Sheik em referência ao apelido do chefe da organização criminosa, que também foi preso nesta terça, a ação envolveu 180 policiais. Foram cumpridos 68 mandados de busca e apreensão e 29 de prisão preventiva. Sete dos suspeitos já estavam presos e dois estão foragidos.

Além dos municípios da RPT e de Capivari, os agentes cumpriram mandados em Rio das Pedras, onde também houve uma prisão; os outros 16 membros do grupo foram detidos em Capivari. Ao todo, foram apreendidos R$ 30 mil em dinheiro, 5,5 kg de maconha, 1,5kg de cocaína, um revólver e oito veículos.

Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
Coletiva de imprensa nesta terça-feira informou detalhes sobre o caso

De acordo com o promotor do Gaeco André Vitor de Freitas, as investigações começaram em 2016 e “ganharam corpo” em 2017. O líder do esquema, que não teve nome nem idade divulgada, era conhecido como Sheik, “ostentava” nas redes sociais e era tido “como o maior traficante de Capivari”.

Uma foto de um copo de cerveja personalizado com o apelido dele foi exibida durante coletiva de imprensa na sede do Gaeco, em Piracicaba. Posteriormente, um vídeo do momento da abordagem foi divulgado. É possível ver Sheik abrindo a janela do seu quarto segundos antes dos policiais entrarem no cômodo.

“Nós percebemos que havia por parte do Sheik uma postura de ostentação de seu poder econômico, de sua força e poderio dentro da cidade. Um copo de cerveja com seu nome era só um dos inúmeros detalhes. Não tinha até então uma atividade profissional, um emprego, uma atividade regularmente estabelecida”, afirmou Freitas.

Ainda segundo o promotor, Sheik tem “familiares na política” de Capivari. Entretanto, até o momento, não havia indícios de participação no esquema descoberto.

Foto: André Thieful - O Liberal
Todos os detidos responderão por organização criminosa e tráfico de drogas

A prisão em Americana aconteceu no Parque Universitário. Já a localização onde os mandados de prisão foram cumpridos em Hortolândia e Santa Bárbara não foram divulgados.

“Nós conseguimos identificar uma linha de fornecimento de drogas vinda de Hortolândia e também de Santa Bárbara d’Oeste. As pessoas [presas] que estavam em Hortolândia e Santa Bárbara faziam essa função de transporte, de fornecimento, de abastecimento de drogas”, explicou o promotor.

Todos os detidos responderão por organização criminosa e tráfico de drogas. Eles foram encaminhados inicialmente ao CDP (Centro de Detenção Provisória) de Americana.

“É um trabalho extenso, grande, que pode parecer estar centralizado em só uma cidade, mas tem ramificações em diversas outras cidades. Nós terminamos apenas uma etapa. Temos todo um trabalho pela frente, toda a fase judicial e outras frentes de investigação”, ressaltou Freitas.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora