16 de agosto de 2022 Atualizado 22:16

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

SUSPEITA DE GOLPE

Com promessa de cashback, locadora de veículos fecha as portas e vira alvo de investigação em Hortolândia

Clientes reclamam de empresa que prometia dinheiro de volta após aluguel e dizem ser vítimas de golpe; dono fez vídeo se dizendo ameaçado de morte

Por Caio Possati

07 de abril de 2022, às 17h51 • Última atualização em 07 de abril de 2022, às 20h45

Depois de fechar as portas de forma repentina na última terça-feira (5), a empresa de aluguel de carros RT&T, localizada no Golden Park, em Hortolândia, está causando temor de prejuízo financeiro a centenas de pessoas.

A suspeita é de que o dono, o empresário Carlos Roberto da Costa Reis, tenha fugido e aplicado um golpe em seus clientes. Até a noite desta quarta-feira (6), não se sabia ainda o paradeiro dele, mas em vídeo divulgado pelo próprio empresário, ele diz que fugiu por estar sendo ameaçado de morte.

Na terça-feira, o estabelecimento amanheceu vazio, sem nenhum dos cerca de 50 veículos que estavam na locadora – Foto: Reprodução

Em nota, a Secretaria Estadual da Segurança Pública informou que já houve registros do caso na Polícia Civil em Hortolândia, que investiga por meio de inquérito. “Diversas vítimas foram identificadas e diligências prosseguem visando ao esclarecimento dos fatos”, informou a pasta.

A RT&T funcionava sob o sistema de cashback integral, que consistia em devolver para o cliente todo dinheiro pago no aluguel de um veículo após o período de 15 meses de uso. Com o encerramento das atividades, pessoas que usam os carros da locadora não sabem se vão conseguir reaver esse dinheiro.

Os automóveis, porém, não eram de propriedade da RT&T, mas sim alugados de outras empresas que locavam os carros para Carlos Roberto. Na terça-feira, o estabelecimento amanheceu vazio, sem nenhum dos cerca de 50 veículos que estavam na locadora.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Nos grupos de aplicativos de conversa que os clientes participam, circula a informação de que um caminhão-cegonha teria retirado os carros já na segunda-feira.

Em conversa com uma das pessoas que trabalhavam no local, e que não quis se identificar, ela afirmou que, até a última segunda-feira (6), tudo estava normal e que os funcionários também foram pegos de surpresa. Abalada emocionalmente, ela disse que ainda tenta processar o que aconteceu.

A advogada Luciana Rossignatti, cliente da RT&T, chegou a alugar um veículo por R$ 30 mil, que deveriam ser devolvidos no final do ano. Ela entrou com duas ações judiciais contra a locadora, uma em seu nome e outra representando uma cliente, que pode ter um prejuízo de R$ 40 mil.

“Eu enxergo dois crimes nessa situação: o crime de estelionato, quando alguém adquire para si algo alheio e tira vantagens indevidas, e também o crime de apropriação indébita, que é pegar algo de outra pessoa e usufruir como se fosse dono. Então, nesses dois casos, é utilizado o dinheiro de terceiros com uma vantagem de forma ilícita”, explicou Luciana.

Outros negócios
A RT&T também tinha outras atuações no mercado. Uma delas era um banco digital, o RT Bank, que prometia um retorno financeiro acima de bancos convencionais. O fotógrafo Carlos Eduardo Pierri conta que, desde o final do ano passado, colocou R$ 120 mil no banco. Ele não suspeitava de que pudesse ser vítima de um golpe, porque nos dois primeiros meses os retornos dos seus investimentos caíram corretamente.

Em março, contudo, o fotógrafo percebeu que o pagamento estava atrasado. No dia 25 de março, ele resolveu conversar com o próprio dono da locadora.

“Quando eu fui falar com Carlos Roberto, ele me disse que estava tentando regularizar o banco e que as agências reguladoras estavam cobrando 27% de imposto, o que estaria causando este atraso”, afirma. Na conversa, Carlos ouviu que a situação se resolveria até quarta-feira passada (30).

Entre ganhos e investimentos, Carlos Eduardo teria tido um prejuízo de mais de R$ 100 mil.

Ameaça de morte
Em vídeo gravado por Carlos Roberto e que circula na internet, ele diz que se afastou da empresa por ameaças de morte.

“Estou trabalhando para resolver isso tudo. Logo em breve estaremos fazendo o possível para acertar a situação de cada um”, afirmou. O LIBERAL tentou contato com o empresário, mas não obteve retorno.

Publicidade