28 de fevereiro de 2024 Atualizado 15:04

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

ABASTECIMENTO

Como o DAE detecta vazamentos não aparentes em Americana

Três equipamentos são usados para encontrar e solucionar os problemas

Por Rodrigo Alonso

11 de fevereiro de 2024, às 08h06 • Última atualização em 11 de fevereiro de 2024, às 16h17

Com uma fila de aproximadamente 300 pedidos para conserto de vazamento de água, o DAE (Departamento de Água e Esgoto) de Americana precisa se desdobrar para dar conta da demanda.

Mas nem sempre os problemas são aparentes. Às vezes, estão escondidos no subsolo. Mesmo assim, trazem transtornos, pois podem impactar no abastecimento de água daquela localidade.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Nesses casos, os funcionários da autarquia precisam usar equipamentos que detectem se realmente existe um vazamento e onde ele está.

A haste de escuta mecânica é o primeiro aparelho usado – Foto: Claudeci Junior/Liberal

O primeiro aparelho utilizado é uma haste de escuta mecânica. Uma das pontas fica encostada na superfície. Na outra, há um fone, no qual o trabalhador encosta o ouvido e consegue escutar eventuais chiados, que confirmam a existência do vazamento.

Porém, existem situações que exigem uma maior precisão. Em determinadas ocasiões, sabe-se que aquela região tem um vazamento, mas a haste não possui a tecnologia necessária para encontrá-lo.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região!

Dessa forma, recorre-se ao geofone. Com um “headphone” nas orelhas, o funcionário anda pela rua segurando um aparelho semelhante a um estetoscópio. No entanto, em vez de batimentos cardíacos, ele tenta escutar possíveis vazamentos.

Geofone usado pelo DAE de Americana: aparelho tem melhor precisão – Foto: Claudeci Junior/Liberal

“Qualquer chiadinho de água ou um barulho maior, o geofone pega. Você vai caminhando por cima da rua, onde tem a rede, e ele vai escutando os barulhos. Se está tudo silencioso, não tem nada. Se começou a fazer um chiado, já é um vazamento que tem ali”, explica Edgar Gotardi, encarregado de manutenção de água do DAE.

Mapeamento

Quando se encontra o vazamento, há um novo desafio: cortar o asfalto de uma forma que cause o menor impacto possível.

O georadar possibilita que o corte no asfalto cause o menor impacto possível – Foto: Claudeci Junior/Liberal

Para isso, o DAE utiliza um georadar, equipamento semelhante a um cortador de grama. Ao andar com o aparelho por cima do asfalto, o operador consegue, por meio de uma tela, mapear a rede de água e identificar possíveis intercorrências, como, por exemplo, uma tubulação de gás.

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

“Quando for fazer uma escavação em que se tem dúvidas, a gente usa ele para identificar as interferências que vai encontrar, para não correr o risco de atingir alguma coisa”, afirma o chefe de seção Antonio Aparecido Floriano, responsável por operar a máquina.

Tela mostra possíveis intercorrências, que são destacadas com uma marcação vermelha – Foto: Claudeci Junior/Liberal

O georadar também possibilita que a dimensão e a profundidade do corte não excedam o necessário. Antes de cortar o asfalto, os servidores também fazem uma marcação com tinta branca no ponto onde está a rede.

Serviço

Na última semana, a equipe de manutenção do DAE focou suas atenções em dois bairros: Jaguari e Jardim Boer. Esses são os locais que concentram maior número de reclamações, segundo Edgar. De acordo com ele, para otimizar o serviço, a autarquia realiza os reparos bairro a bairro.

Tinta branca é usada para marcar a localização da rede – Foto: Claudeci Junior/Liberal

Neste ano, a autarquia chegou a ter 500 vazamentos na fila para conserto, conforme o LIBERAL noticiou em janeiro. Diante dessa demanda, o departamento ampliou a quantidade de equipes de manutenção – passou de 11 para 14.

Hoje, há cerca de 300 vazamentos na fila, número que o DAE ainda tem buscado diminuir. “Nós aumentando as equipes para fazer a manutenção e, com isso, estamos tentando reduzir bastante os vazamentos”, diz o encerregado de manutenção.

Os reparos podem ser acionados pelos seguintes canais de atendimento: diariamente pelo telefone 0800-0123-737, das 6h à meia-noite; pelo WhatsApp (19) 98100-4714, das 8h às 22h; e pelos e-mails sac@daeamericana.sp.gov.br e ouvidoria@daeamericana.sp.gov.br.

Publicidade