Z400 tenta manter reinado entre as naked de média cilindrada

Conceito agressivo do modelo parte de uma potência 23% maior que a antecessora em um motor de 399 cc dois cilindros


A Kawasaki foi precursora na ideia de ir além do visual esportivo com modelos de média e baixa cilindrada, com a Ninja 250R, ainda na década de 1980. O modelo, basicamente um moto de corrida amansada para andar nas ruas, tinha 37,4 cv e seu motor bicilíndrico girava a 14 mil rotações. Esta moto foi a origem da Ninja 300, que surgiu em 2012. Só em 2015, a fabricante japonesa teve a ideia de tirar a roupa da Ninja 300 e criar a Z300.

Apenas três anos depois, a Kawasaki resolveu dar um gás nas suas esportivas. A carenada Ninja 400 chegou ao Brasil em agosto do ano passado. Já a Z400 levou mais um ano para chegar, o que acontece agora. O conceito é o mesmo da antiga Z300, bem agressivo. Assim como o preço: R$ 22.990, nas cores Lime Green e Carnial Red.

Este valor deixa o modelo da Kawasaki exatos R$ 700, ou 3%, mais cara que sua rival direta, a Yamaha MT-03. O argumento que a Z400 agora tem para este enfrentamento é a potência, que ficou 23% maior, e o torque, que subiu em 40%. Os números passaram de 39 para 48 cv e de 2,8 para 3,9 kgfm, enquanto a MT-03 mantém dos 42 cv de potência e o torque de 3 kgfm. De fato, no mercado internacional, a menor potência da naked da Kawasaki a deixava em nítida desvantagem nesta briga, que a marca espera equilibrar agora.

Para arrancar este desempenho dos 399 cc do motor de dois cilindros, a engenharia da marca foi nos detalhes. A ideia foi reduzir o tamanho do motor, criar um fluxo mais fluido para os gases do escapamento, reduzir a extensão das galerias de arrefecimento, para reduzir o volume de líquido, aliviar o volante e reduzir o peso das peças internas, que são as que mais roubam potência do motor.

Foto: Divulgação
Kawasaki Z400

A embreagem teve o diâmetro dos discos reduzidos de 139 para 125 mm. Ainda atrás da redução de peso, o novo chassi é em treliça, com design semelhante ao usado na superesportiva H2, e o entre-eixos foi encurtado em 3,5 cm – agora em 1,37 metro –, para dar mais agilidade nas curvas e mudanças de direção. No final, com toda esta intervenção, a Z400 ficou 3 kg mais leve que a Z300, apesar do aumento de cilindrada.

A suspensão também foi mexida, até para adequar a moto ao novo desempenho. O garfo dianteiro passou de 37 para 41 mm mas ainda é convencional, e não invertido como na MT-03. O freio também foi redimensionado e agora tem 310 mm na frente e 220 mm atrás.

Foto: Divulgação
Kawasaki Z400

DESIGN

O visual da nova Z400 é diretamente herdado da Z650. A Kawasaki define como um design que compõe elementos que dão robustez com linhas fluidas. A rigor, trata-se de uma simples atualização da Z300, com volumes são bem próximos. A frente é um pouco mais baixa e as laterais perderam as grandes aletas na lateral do radiador, o que deixou a moto mais fina.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora