O que vem por aí em 2020

Vendas prometem crescer este ano e marcas mantêm aposta nos utilitários esportivos; veja fotos e a relação das principais novidades para o ano


Mercado periférico tem essas coisas. Se um segmento aparece como promissor, a tendência é que as marcas todas apostem suas fichas naquele nicho. Inclusive porque os grupos automotivos reservam poucas fichas para mercados considerados secundários, como os da América Latina.

Hoje, o segmento que está na berlinda é o de SUVs. No início da década, por exemplo, era o de sedãs médios, que perdeu a importância, mas ainda tem um volume atraente – tanto que a CaoaChery vai apostar no Arrizo 6, sempre com a estratégia de oferecer um custo/benefício vantajoso.

Outros praticamente sumiram, como o de monovolumes e de hatches médios. Tem ainda os que realmente sumiram, como o de stations wagons. Como há poucas fichas para apostas, elas são feitas nos segmentos que oferecem menos riscos. Além dos SUVs, sedãs compactos e hatches compactos e picapes.

A Honda vai trazer a nova geração do Fit, a Nissan, o Versa da nova geração, e a Peugeot ataca com o novo 208. Apenas marcas de nicho fazem apostas diferentes, como a BMW que vai trazer o sedã de luxo Série 2 Gran Coupé. Mas é mesmo nos modelos aventureiros e nos SUVs que as marcas investem.

A Ford, por exemplo, radicalizou. Em 2019, tirou de linha o Fiesta e o Focus e vai introduzir dois SUVs médios em sua gama: o Escape, que virá do México, e o Territory, que deve ser feito na Argentina. Quem vem para brigar nesse nicho é a Citroën, que vai trazer o C5 AirCross, que vai ocupar o lugar deixado vago com a interrupção da importação do C4 Picasso.

A Chevrolet vai lançar a nova geração do SUV compacto Tracker, mas agora com a intenção de brigar em volume com Jeep Renegade, Nissan Kicks, Hyundai Creta e Honda HR-V. A seguir, os lançamentos mais interessantes reservados para 2020.

Ford Escape Hybrid

A Ford vai atacar o segmento de SUVs médios com dois modelos. O mais sofisticado será o Escape, que virá importado do México recheado de tecnologia, inclusive com motorização híbrida, semelhante à usada no Fusion Hybrid. Ou seja: um motor 2.0 que trabalha em conjunto com um motor elétrico, gerando 190 cv de potência. O preço deve ficar em torno de R$ 175 mil.

Nissan Versa

A nova geração do Nissan Versa, a terceira, ficou mais sofisticada e luxuosa. O modelo deve chegar no Brasil no segundo semestre e será inicialmente importado do México, com a função de brigar no topo do segmento de sedãs compactos. O Versa atual, produzido em Resende, no Rio de Janeiro, deve conviver com a nova geração, como sedã de entrada.

Peugeot 208

A primeira geração do Peugeot 208, lançado em 2012, marcou o início de uma fase de recuperação da PSA e representou a retomada da face mais criativa da marca. A segunda chega no momento que a PSA caminha para se unir à FCA Fiat Chrysler para se tornar o quarto maior grupo automotivo do planeta. O hatch deve chegar ao mercado em meados deste ano.

Chevrolet Tracker

A GM decidiu aproveitar a mudança de geração de sua linha de compactos – Onix e Onix Plus – para entrar com força no segmento de SUVs compactos. A montadora inicia a produção este mês. A promessa é que o preço seja agressivo, com versões de entrada abaixo de R$ 75 mil. Os motores devem ser o 1.0 turbo do Onix, de 116 cv e o 1.4 turbo, do Cruze, de até 153 cv.

Caoa Chery Arrizo 6

O mercado de sedãs médios está decadente no Brasil, mas ainda tem um volume respeitável, perto de 120 mil unidades por ano, e oferece boas margens de lucro. Daí a Caoa Chery se interessar no segmento. A marca tem a ideia de produzir em Jacareí, São Paulo, o Arrizo 6, para capturar parte dos compradores de Toyota Corolla, Honda Civic e Chevrolet Cruze.

Citroën C5 Aircross

A marca resolveu abandonar o segmento de monovolumes no Brasil para apostar nos SUVs. Só que desta vez, com um de fato: C5 AirCross. Até aqui, a montadora atuou apenas com adaptados, como o C3 AirCross e o C4 Cactus. O C5 AirCross compartilha a plataforma do 3008 e vai utilizar o motor aplicado no finado C4 Picasso: 1.6 Turbo THP de 165 cv, que bebe apenas gasolina.

Honda Fit

O novo Fit manteve o perfil de minivan, mas ganhou uma frente que remete a carros elétricos. A grade foi substituída por uma pequena abertura e por uma entrada de ar sob o para-choque. Nesta quarta geração, o Fit foi lançado apenas em versões híbridas. A tendência é que o modelo seja apresentado no Brasil até o segundo semestre.

BMW Série 2 Gran Coupé

Para brigar com o Mercedes-Benz Classe A sedã e com o Audi A3 sedã, a BMW não quis se arriscar com o Série 1 sedã, produzido na China e vendido também no México. Em vez disso, a preferiu criar o Série 2 Gran Coupé, a versão com quatro portas do Série 2 Coupé, que é bem mais refinado. O modelo vai ser vendido no mercado europeu e chegará ao Brasil ainda em 2020.

 

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora