23 de abril de 2024 Atualizado 17:35

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

competitivo

Ora 03 GT exibe boa tecnologia para brigar entre os elétricos

Principal concorrente do BYD Dolphin, carro tem preço de R$ 184 mil e autonomia de 319 km, segundo critérios do InMetro

Por Jorge Beher/Auto Press

24 de fevereiro de 2024, às 08h47 • Última atualização em 24 de fevereiro de 2024, às 08h49

A chinesa GWM (Great Wall Motor) tem uma estratégia curiosa: para cada tipo de veículo, o grupo chinês cria uma marca, por assim dizer, independente. As picapes ficam sob o guarda-chuva da Poer, os modelos de luxo ganham o emblema da Tank, os SUVs são da Haval e finalmente os modelos elétricos ostentam a marca Ora.

A marca Ora vem chamando a atenção principalmente pelos designs retrofuturistas – Foto: GWM/Divulgação

Um SUV de luxo com a marca Tank e uma picape Poer serão os primeiros produtos do grupo a serem produzidos na fábrica de Iracemápolis, em São Paulo, vendida pela Mercedes-Benz, que decidiu não produzir mais automóveis no Brasil.

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

Já as duas últimas têm modelos vendidos no Brasil: o SUV híbrido Haval H6 e o compacto elétrico Ora 03.

Como o Ora 03 entrou em um segmento marcado pela chegada do BYD Dolphin, a GWM tratou de lançar uma versão mais despojada para brigar no preço, a Skin, e outra mais completa, a GT (a BYD não perdeu tempo e respondeu com o Dolphin Plus).

Ora 03 GT tem sistema de estacionamento automático e seis modos de condução – Foto: GWM/Divulgação

A marca Ora vem chamando a atenção principalmente pelos designs retrofuturistas. Na versão GT avaliada, o modelo ainda ganha alguns elementos visuais adicionais, como para-choque mais agressivo, entradas de ar nas laterais e detalhe em vermelho na base da grade frontal, nas rodas de 18 polegadas, no para-choque e no aerofólio traseiros, além das quatro pinças de freio.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região!

Além do uso abusivo do vermelho, não há nada em relação ao desempenho que possa justificar uma promoção para a condição de GT.

EQUIPAMENTOS

Em relação a equipamentos, no entanto, a versão GT traz diversos recursos para fazer valer os R$ 34 mil adicionais na tabela, em comparação à Skin – R$ 150 mil contra 184 mil. A começar pela capacidade da bateria, que sobe de 48 para 63 kWh.

Essa mudança aumenta o peso final em 40 kg, com 1.580 kg, mas amplia a autonomia de 232 para 319 km, segundo os critérios do InMetro.

O tempo de recarga total a partir de 15% também aumenta de 3 para 5 horas, com carregador AC de 11 kWh. Já em relação ao desempenho, segundo a GWM não há alteração: o zero a 100 km/h se mantém em 8,2 segundos, com máxima em 160 km/h.

Além da bateria maior, a versão GT adiciona espelho externo com memória, teto solar panorâmico, retrovisor interno eletrocrômico, ajuste elétrico, ventilação e massagem para os bancos dianteiros, carregador por indução, apoio de braços no banco traseiro, 12 sensores, cinco câmeras e cinco radares para controle do entorno do veículo, sistema de estacionamento automático e seis modos de condução.

Aerofólio traseiro é um dos detalhes agressivos do carro – Foto: GWM/Divulgação

MEDIDAS

O Ora é classificado como compacto, mas não é tão pequeno assim, apesar de parecer menor do que é. Ele tem 4,24 metros de comprimento – o mesmo de um hatch médio, como um Volkswagen Golf –, com 1,83 m de largura, 1,60 m de altura e 2,65 m de entre-eixos.

De certa forma, a pequena capacidade do porta-malas, de apenas 228 litros, é um efeito colateral do design. O Ora já foi chamado como uma cópia do Fusca e de mini Porsche.

Mas isso pode ter a ver com o fato de ser assinado por Emanuel Derta, ex-designer da Porsche. Mas por uma questão de justiça, apesar de trazer alguns elementos estéticos semelhantes, é um desenho bastante original.

Por dentro, se mantém fiel ao estilo retrofuturista do exterior. Painéis, console frontal e estilo dos botões lembram modelos antigos, enquanto cluster de instrumentos e central multimídia compartilham o mesmo quadro.

A qualidade geral do carro é muito boa. É perfeitamente montado e, embora não seja um carro de luxo, os materiais são agradáveis ao toque. A posição de condução é confortável, os bancos oferecem bom encaixe e o volante tem uma ótima espessura.

Por dentro carro segue o visual retrofuturista da parte externa – Foto: GWM/Divulgação

Por outro lado, os botões táteis no volante não são muito amigáveis, e não são muito bem iluminados. E é preciso olhar para baixo para consultar o painel com as duas telas de 10,25 polegadas.

Além disso, a tela da central multimídia fica longe do campo de ação do condutor e é preciso se esticar para operá-la com segurança.

SEGURANÇA

Na parte de segurança, o Ora se posiciona entre os melhores. Ele obteve cinco estrelas no Euro NCAP e desde o modelo de entrada oferece sete airbags, sistema anticapotamento, assistente de partida em subida e controle de descida e câmera 360° com assistentes de estacionamento. Traz ainda controle de cruzeiro adaptativo, o assistente de faixa, a, o aviso de colisão frontal e traseira com frenagem de emergência, e o alerta de tráfego cruzado traseiro.

As notícias do LIBERAL sobre Americana e região no seu e-mail, de segunda a sexta

* indica obrigatório

Publicidade