05 de março de 2021 Atualizado 22:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cultura

Diogo Nogueira lança trilogia visual

Projeto faz tributo a nomes que são pilares do moderno samba brasileiro, como o grupo Fundo de Quintal, Beth Carvalho e Zeca Pagodinho

Por Agência Estado

07 fev 2021 às 08:53 • Última atualização 07 fev 2021 às 08:54

Os niteroienses costumam se gabar de que a melhor vista do Rio de Janeiro fica na cidade deles. Polêmicas à parte, foi em Niterói, em cima de uma balsa ancorada na Baía de Guanabara, de onde é possível ver a paisagem carioca, que Diogo Nogueira filmou Samba de Verão.

Longe dos palcos, Diogo aproveita o tempo para compor e se aperfeiçoar no violão e cavaquinho – Foto: Ana Paula Migliari_TV Brasil.JPG

O projeto visual, dividido em três partes – Sol, Céu e Lua -, festeja a estação mais quente do ano e faz um tributo a nomes que são alguns dos principais pilares do moderno samba brasileiro, como o grupo Fundo de Quintal, Beth Carvalho e Zeca Pagodinho.

O primeiro trabalho, Sol, com oito faixas, foi gravado ao entardecer, com o astro colorindo de dourado as águas do mar da baía – e já está disponível nas plataformas digitais e na página do cantor no YouTube.

Diogo diz que o projeto começou a ser elaborado há dois anos.

A ideia, quando começou a pesquisar o repertório, com músicas inéditas e antigas, era fazer um produto diferente do que simplesmente filmar um show para editá-lo em DVD.

Com a chegada da pandemia, os planos tiveram de ser alterados. Inicialmente, foi cogitado que a gravação ocorresse na casa de Diogo, de maneira bem informal. Depois, cogitou-se que a gravação seria feita em uma ilha em Angra dos Reis. Por fim, quando um amigo ofereceu a marina em Niterói, o Samba de Verão ganhou sua cara definitiva.

A balsa virou um palco de 500 metros quadrados e colocou Diogo no centro de um sol estilizado, ao lado de 15 músicos que o acompanharam na gravação.

O primeiro single, a inédita Bota Para Tocar Tim Maia, fala do amor de um casal que se inspira no calor do verão – lançado há pouco mais de um mês, já soma mais de 1 milhão de visualizações.

A presença do grupo Fundo de Quintal – e toda a herança que eles trazem do Cacique de Ramos, bloco carnavalesco fundado há 60 anos no bairro carioca – está nas faixas Fada (Mário Sergio e Luiz Carlos da Vila) e Cheiro de Saudade (Sereno e Mauro Diniz). Elas se tornaram as últimas gravações de Ubirany, um dos fundadores do grupo, que morreu Covid-19 em 11 de dezembro de 2020, aos 80 anos.

A lembrança de Beth Carvalho (1946-2019), a outra homenageada pelo sambista, se faz pela regravação de Andança (Danilo Caymmi, Edmundo Souto e Paulinho Tapajós), música que a lançou para o estrelato em 1968 no 3.º Festival Internacional da Canção, promovido pela TV Globo, interpretada ao lado do grupo Golden Boys.

Longe dos palcos e das turnês, Diogo aproveita o tempo para compor e se aperfeiçoar no violão e cavaquinho. Ele, que teve Covid-19 em julho do ano passado, diz que espera pelo avanço da campanha de vacinação para apresentar o show Samba de Verão para o público. Por ora, o conselho que dá é: “Arraste o sofá e vai dançar – em casa”.

Publicidade