29 de junho de 2022 Atualizado 18:35

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

CULTURA E ARTE

Festival Inflama ganha nova roupagem e acontece em Santa Bárbara no domingo

Evento promove atrações culturais gratuitas; trapper DaLua é a principal apresentação musical

Por Marina Zanaki

18 de maio de 2022, às 08h51 • Última atualização em 18 de maio de 2022, às 10h00

Santa Bárbara d’Oeste recebe no próximo domingo (22), a partir das 14h, o Festival Inflama. O evento leva ao Museu da Imigração e ao Centro de Atendimento ao Turista muita música, dança, teatro, poesia, artes visuais, culinária, artesanato e moda. O Festival Inflama é uma versão repaginada do Sarau dos Desapaixonados, que nasceu em 2015 em Americana.

O evento ressurge com algumas mudanças, mas segue com a proposta de fomentar a cultura local. Com entrada gratuita, o festival pede a doação de um quilo de alimento que será entregue ao Fundo Social de Solidariedade de Santa Bárbara d’Oeste.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O organizador Gabriel Cordeiro contou que o rap ganhou espaço no evento, aproveitando o bom momento que o gênero vive na região. Das atrações musicais, três são do estilo, incluindo o show principal do festival, DaLua. O músico de Campinas é um representante do trap, subgênero do rap e do hip hop.

Integrante do coletivo Astro Gang, DaLua já dividiu palcos com ícones como Sandrão RZO, O Rappa, Racionais MCs e Rashid. O artista fez sua estreia solo em “Nirvana I”, estabelecendo-se como um dos mais originais da cena, e emplacou os hits “Mochila” e “Chainz On My Neck”.

DaLua já dividiu palcos com nomes como Sandrão RZO, O Rappa, Racionais MCs e Rashid – Foto: Divulgação

“Vamos dar mais espaço para a música. Sempre fizemos com artistas do mesmo nível de notoriedade, mas temos pela primeira vez um headliner (atração principal). O DaLua foi um dos primeiros que conseguiu despontar quando a cena do trap veio para o Brasil”, disse Gabriel.

A programação inclui também as atrações Charli.ON (com influências do hip-hop); Ferdi Oliveira (artista que mescla MPB, samba e maracatu); Maracatu Estação Quilombo (grupo de maracatu); Ceano (banda de rock, pop e MPB); Plena Rap (trio de rap); e Do Prado (brasilidades). Outra novidade no festival será a discotecagem com DJ.

Haverá exposição de poesias, mas a organização optou por não abrir o microfone para declamação, como ocorria no Sarau dos Desapaixonados. “É difícil captar a atenção quando o público está em um evento com bastante música e bandas, e, de repente, vem uma pessoa para declamar. Provavelmente, vamos retornar com declamação em eventos menores, focados em poesia”, explicou Gabriel.

Outra novidade é que o evento será realizado em Santa Bárbara d’Oeste. Gabriel contou que conversou em janeiro com o secretário de Cultura e Turismo, Evandro Félix, que abriu espaço para o evento e indicou os locais disponíveis.

Mesmo com as mudanças, que prometem renovar o festival, o evento se mantém com o objetivo de oferecer cultura à população e espaço à cultura local.

“Os artistas sofreram muito com a pandemia, ficaram sem ter onde se apresentar e nem de onde tirar dinheiro. Então é fundamental voltar a nos organizar e não deixar a peteca cair”, defende Gabriel.

O Festival Inflama tem organização de Gabriel Cordeiro, Lucas Borges, Renan Silva e Felipe Rodrigues. O evento conta com parceria da Prefeitura de Santa Bárbara d’Oeste, Espaço Gnu, Dolores House, Elevation Music Records e Hop Beer.

Publicidade