29 de julho de 2021 Atualizado 09:00

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Live

Caetano Veloso faz 78 anos e se rende às lives

O show, que terá a companhia de seu filho Tom Veloso, será exibido pelo Globoplay a partir das 21h30

Por Agência Estado

07 ago 2020 às 08:10 • Última atualização 07 ago 2020 às 09:42

Caetano Veloso se rendeu às lives. O cantor baiano, que resistiu ao formato desde o início apesar de anunciar que não era contra o formato, vai usar o dia de seu aniversário de 78 anos, nesta sexta-feira para sua primeira investida. O show terá a companhia de seu filho Tom Veloso e será exibido pelo Globoplay a partir das 21h30.

Outro motivo que o faz ressurgir direto de sua quarentena é poder fazer o lançamento de um novo single nas plataformas digitais.

Caetano vai usar o dia de seu aniversário de 78 anos para fazer a primeira live da quarentena – Foto: Divulgação

A música Talvez é um impressionante investimento de produção artística em tempos de pandemia. Ela foi feita pelo violonista e compositor Cezar Mendes e Tom Veloso, e teve Mario Adnet na produção, arranjo e violão, Marcos Nimirichter ao piano, Jorge Helder ao contrabaixo, Antonio Neves na bateria, Daniel Carvalho na mixagem e masterização e o maestro Kleber Agustinho da Silva regendo a St Petersburg Studio Orchestra.

Sim, Caetano, ou melhor, Mario Adnet, escreveu os arranjos e a canção ganhou acompanhamento de uma orquestra de cordas com 12 violinistas, 6 violas, quatro violoncelos e dois contrabaixos.

Caetano falou em um texto de divulgação sobre o projeto: “A música é uma coisa essencial em Cezar Mendes. Ele sente as harmonias e acompanha os caminhos possíveis das melodias como respira, como deixa o sangue circular. Tendo ensinado muito a Tom sobre como se exprime isso com os dedos nas cordas do violão, revelou no discípulo um talento para por palavras em música semelhante ao dos melhores letristas de sambas-canções dos anos 1940. Tom passou a não só compor música com o mestre como a letrar melodias deste de modo natural. Fiquei feliz de gravar Talvez com meu filho Tom. A elegância do arranjo de Mario Adnet nos deixou relaxados.”

Publicidade