03 de dezembro de 2020 Atualizado 11:05

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Santa Bárbara

Condenado por estupro de enteadas responderá em liberdade

Pedreiro foi condenado a 29 anos de prisão pela Justiça de Santa Bárbara, mas permanecerá livre enquanto puder recorrer da sentença

Por George Aravanis

15 fev 2020 às 08:26 • Última atualização 15 fev 2020 às 15:14

A Justiça de Santa Bárbara d’Oeste condenou um pedreiro a 29 anos de prisão por estuprar duas filhas de sua ex-esposa. A menina mais velha, hoje com 19 anos, diz que foi vítima do ex-padrasto dos 7 aos 16, idade que ela tinha quando o caso veio à tona. O homem, de 36 anos, poderá recorrer da sentença em liberdade.

A justificativa na decisão, publicada esta semana, é que ele já respondeu solto ao processo. O advogado do pedreiro, Fernando Moraes de Alencar, afirma que seu cliente alega inocência e que deve recorrer.

O caso chegou ao conhecimento da polícia em abril de 2016. Na ocasião, a PM (Polícia Militar) foi chamada à casa da família na cidade.

Foto: Arquivo / O Liberal
Homem foi condenado a 29 anos de prisão, mas pode recorrer da decisão em liberdade, de acordo com a Justiça de Santa Bárbara

A garota mais velha, na época com 16 anos, contou que acordou com o padrasto em cima dela, tentando forçar uma relação sexual que ela conseguiu evitar. A mãe acordou com os gritos da outra filha, que na época tinha 10 anos.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

A garota mais velha relatou à polícia que desde os 7 anos o pedreiro entrava no quarto e passava a mão em seu corpo. A irmã dela disse que sofria o mesmo desde os 5.

O homem negou as acusações e disse que as meninas não aprovavam seu relacionamento com a mãe delas. No dia em questão, ele justificou que a enteada estava deitada em cima de seu carregador de celular e ele o puxou com força por debaixo dela.

IRMÃ

A própria irmã do acusado, porém, contou à polícia que, em janeiro de 2016, quando dormiu na casa da família, no quarto das meninas, viu o pedreiro abrir a porta durante a noite, olhar para dentro e voltar. Ela estranhou a atitude, conversou com as sobrinhas e a mais nova lhe contou que era abusada pelo homem.

Depois disso, as meninas e a mãe delas foram morar com a irmã do acusado. Porém, três meses depois, voltaram a conviver com o homem, contra a vontade das duas menores, falou a tia.

Já a mãe das garotas afirmou à polícia que as filhas nunca haviam lhe dito nada. Alegou que, depois que sua cunhada disse que ele entrou no quarto durante a noite, conversou com as duas, mas elas não relataram abuso. A mãe alegou que se separou porque o pedreiro bebia demais.

PRISÃO

O homem chegou a ser preso preventivamente em 14 de maio de 2019, pois a Justiça não estava conseguindo encontrá-lo para a sequência do processo.

O advogado Dinael de Souza Machado Junior, que o representava naquela época, conseguiu um habeas corpus para libertá-lo em 10 de junho.

O ex-defensor apontou que o pedreiro tinha sido procurado em endereços desatualizados e que não sabia da existência do processo criminal, já que havia apenas sido ouvido na delegacia.

O homem, inclusive, trabalhava em uma obra perto do Fórum. Desde então, o acusado está livre.

{{1}}

Publicidade