11 de maio de 2021 Atualizado 15:53

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Santa Bárbara

Com dor há quase dois anos, morador aguarda cirurgia desde junho de 2020

Liminar obrigou a prefeitura a fazer perícia em dezembro; Executivo diz que paciente está na fila do Cross, mas Estado nega

Por Pedro Heiderich

30 abr 2021 às 07:46

Com dores na perna há quase dois anos e precisando de muleta para se locomover desde dezembro de 2019, o morador de Santa Bárbara d´Oeste, Carlos Dalberto Festa, de 57 anos, aguarda cirurgia desde junho de 2020. Morador do Jardim Belo Horizonte, ele procurou advogado em dezembro.

Carlos tem sofrido diariamente com dores nas pernas desde agosto de 2019 – Foto: Divulgação/Acervo Pessoal

Uma liminar obrigou a prefeitura a fazer perícia para agendar cirurgia via estado. Porém, o resultado dos exames da perícia ainda não chegou. A prefeitura diz que Carlos está na fila do Estado para a cirurgia, informação negada pelo Governo.

Tudo começou em agosto de 2019, quando Carlos sentiu dores na perna. Ele procurava unidades de saúde da cidade, era medicado e liberado.

A frequência aumentou e em dezembro ele passou a precisar de muleta para se locomover. “Me deram até morfina, mas a dor não passa. Diminui com o medicamento, mas volta no dia seguinte”, conta. Ele foi atendido por ortopedista em unidade de saúde em março de 2020, que pediu exames.

Com pressa, Carlos decidiu ir a médico particular em Americana, em junho. Exames constataram em setembro, dois meses depois, ossos desgastados e necessidade de cirurgia. “Eu paguei impostos por 39 anos, não tenho recurso para pagar 25 mil reais na prótese. Vou atrás do meu direito”.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Carlos levou o resultado do exame do atendimento particular ao Centro Médico de Santa Bárbara, em setembro de 2020. “Me deram remédios para aliviar a dor e disseram que iam me colocar na fila para cirurgia via Estado, pois o município não tinha condições”.

Em novembro veio o retorno do ortopedista que atendeu o paciente via rede municipal em março, constatando que os medicamentos não estão fazendo efeito e frisando a importância da cirurgia. Carlos seguiu com dores e dificuldades para andar e dormir.

Em dezembro, procurou advogado, que entrou com a liminar para que o município fizesse perícia, ocorrida no dia 15.

“O perito confirmou que só resolve com cirurgia e como eu estava com muita dor, ele pediu exames complementares. Ele mexia na minha perna, eu gritava”, recorda o morador. Veio 2021. No fim de janeiro, Carlos procurou a prefeitura novamente cobrando o resultado dos exames .

“Me disseram que os exames seriam de competência do Estado”, explica. Mais de quatro meses depois, Carlos aguarda para então entrar na fila para então ser operado.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O morador desabafa. ”Eu não tenho mais qualidade de vida, perdi o amor próprio, daqui a pouco estou em cadeira de rodas. Se eu tivesse recurso, não estaria me humilhando pelos meus direitos. O que está impedindo o resultado da minha perícia? ”, indaga.

Carlos critica os poderes públicos. “Todos sabem da minha situação e não sou atendido nem pela prefeitura e nem pelo estado”. Apesar de toda a dor, indefinição e demora, Carlos não desiste. “Amanhã é outro dia. Tenho fé que de alguma forma, uma hora ou outro vai resolver essa minha situação”.

PREFEITURA E ESTADO DIVERGEM

A Secretaria de Saúde de Santa Bárbara disse em nota que Carlos, “após receber todos os atendimentos na esfera municipal, foi cadastrado para procedimento da Cross (Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde) do Estado de São Paulo no dia 24/09/2020, e aguarda agendamento”.

A pasta ressalta que o “município atendeu todas as decisões judiciais inerentes ao caso”. Porém, a Secretaria de Saúde do Estado nega. De acordo com a pasta, “não consta marcação de consulta/cirurgia para Carlos”.

O órgão estadual reitera que os municípios possuem autonomia para agendar os pacientes e definir os casos prioritários, frisando ainda que o agendamento de consultas em especialidades é responsabilidade dos municípios de origem dos pacientes.

Publicidade