24 de Maio de 2020 Atualizado 19:01

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Sebrae alerta para planejamento antes de pequeno empresário contrair empréstimo

Órgão compila opções de empréstimo, mas afirma que antes é preciso conhecer negócio e cliente para enfrentar desafios da crise

Por George Aravanis

17 Maio 2020 às 15:28

Antes de pensar em pegar um empréstimo em meio à crise causada ela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o pequeno empresário precisa conhecer seu negócio, descobrir se ele vai vingar na internet, verificar como o consumidor se comporta no meio digital e planejar faturamento e despesas. O alerta é da gestora de negócios do Sebrae de Piracicaba, Juliana Chehouan.

. Loja no Centro de Americana aderiu ao atendimento por celular – Foto: Marcelo Rocha_O Liberal_17.04.2020


Várias linhas de créditos foram abertas pelos bancos desde que a pandemia se agravou. O Sebrae compilou as principais em seu site. Os empréstimos, aliás, têm sido o motivo de 46% dos atendimentos em todo Estado, a maior parte da procura. Porém, sem fazer projeções, tomar dinheiro emprestado pode ser um tiro no pé, diz Juliana.

Mesmo diante da incerteza que cerca o cenário econômico, a gestora afirma que é essencial elaborar um planejamento, nem que seja preciso revê-lo com frequência.

“Tem que desenhar minimamente um cenário, mesmo que desenhe um cenário pessimista, para entender quanto tempo vai demorar para retomar esse patamar de faturamento, e entender a carência [prazo para começar a pagar o empréstimo]”, explica.

Diante das restrições às atividades comerciais, o primeiro passo é entender se o negócio em questão pode elevar seu faturamento por meio dos canais digitais, como em páginas em redes sociais, canais de venda por WhatsApp e linkar a empresa a um grande site, nos quais a concorrência é maior.

Para conseguir projetar corretamente, é necessário conhecer quem consome por esses meios e quais são suas expectativas. Segundo a gestora, trata-se de um público mais informado, exigente e que quer ser atendido depressa. “Se ele [empresário] não responder para o cliente no tempo que ele tem expectativa, o concorrente dele vai responder e vai levar essa venda”, adianta Juliana.

Segundo a gestora, alavancar o faturamento pela internet é mais complicado para prestadores de serviço, já que é difícil fazer trabalhos para vários clientes ao mesmo tempo. Mas, para o comércio, a chance de impulsionar o negócio online é maior.

Juliana lembra que a maioria das linhas de crédito lançadas durante a pandemia serve para pagar dívidas futuras, mesmo que seja para energia e água, mas não antigas.

Ela diz que a regra básica é saber se, ao adquirir um empréstimo, o empreendedor vai gastar menos do que desembolsa atualmente. E planejar faturamento e despesas em um momento inédito, mesmo que difícil, é essencial justamente para não cair em uma armadilha bem comum.

“Se pego empréstimo sem fazer planejamento financeiro, eu corro o risco de ter que depois pegar um empréstimo para pagar outro empréstimo. E é aí que começa a bola de neve”, alerta.

Podcast Além da Capa
Diante da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), em virtude da determinação de paralisação de atividades econômicas e do isolamento social forçado pela quarentena, o reflexo no mercado de trabalho é um dos principais termômetros para medir os danos. Nesse episódio, o editor Bruno Moreira conversa com o repórter George Aravanis, que trata do aumento dos pedidos de seguro-desemprego e acompanha os anúncios de suspensões de contrato de trabalho em empresas da RPT (Região do Polo Têxtil).