26 de novembro de 2020 Atualizado 19:15

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

ELEIÇÕES 202 0

PSD cresce e se torna partido com mais eleitos na região

Com planos de expansão, sigla partidária elegeu dois prefeitos, um vice e 11 vereadores nas cinco cidades da Região do Polo Têxtil

Por André Rossi

21 nov 2020 às 08:57 • Última atualização 21 nov 2020 às 13:41

Fundado em 11 de março de 2011 e encabeçado pelo ex-ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, o PSD é o partido com mais candidatos eleitos na RPT (Região do Polo Têxtil) no pleito deste ano. São dois prefeitos, um vice-prefeito e 11 vereadores em quatro das cinco cidades.

A articulação de Kassab no Estado para trazer nomes considerados “fortes” e os planos de expansão do partido vislumbrando as eleições de 2022 ajudam a entender o crescimento, segundo políticos entrevistados pelo LIBERAL.

Das 28 siglas que disputavam as eleições municipais na região, o PSD era o que tinha o maior número de candidatos em números absolutos, com 122 nomes. Em 2016 eram 68, uma elevação de 79%.

Angelo Perugini foi reeleito prefeito em Hortolândia – Foto: Reprodução

Hortolândia foi a cidade onde o partido teve seu melhor desempenho. Além do prefeito reeleito Angelo Perugini (PSD), a sigla emplacou cinco vereadores: Ananias, Edivaldo, Nego, Daniel Laranjeira e Orlando Andretta.

Em entrevista ao LIBERAL, Perugini disse que migrou do PDT para o PSD neste ano porque precisava de um partido que pudesse destravar projetos no Governo Federal.

“O PDT não tinha nenhuma articulação em Brasília. Eu procurei o Kassab, que me atendeu e resolveu meu problema, liberou recurso para o hospital. Ele pediu para me filiar ao PSD. Falei ‘tá bom, eu vou’. Foi por interesse do município. Hortolândia soou mais forte do que qualquer questão ideológica para mim”, explicou Perugini.

Na visão do prefeito de Hortolândia, a capacidade de articulação de Kassab é o motivo para o PSD ter crescido na região e no Estado. O ex-prefeito de São Paulo é o presidente nacional do partido.

“As pessoas conversam com ele uma vez e querem ficar do lado dele. Eu atribuo a isso. Não vejo outra razão. É um partido novo, embora tenha muitos deputados já no congresso nacional, mas está tendo um crescimento muito fabuloso pela personalidade do Gilberto Kassab, que é uma pessoa muito especial”, analisou Perugini.

Leitinho se elegeu prefeito em Nova Odessa – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Já em Nova Odessa, Cláudio José Schooder, o Leitinho (PSD) se elegeu prefeito, com o vice Alessandro Mineirinho, do mesmo partido. Na câmara, o vereador Professor Antonio (PSD) será o representante do grupo.

Para Leitinho, que migrou do PV para o PSD na janela partidária deste ano, o desgaste dos outros partidos também influenciou. “Teve a época do PT, PDT, PSDB e agora a época do PSD. A gente está se fortalecendo a cada dia”, disse.

Em Santa Bárbara d’Oeste, quatro vereadores foram eleitos: Arnaldo Alves, Tikinho TK, Eliel Miranda e Nilson Araújo. O candidato a prefeito da legenda, Dr. José, ficou em segunda lugar na eleição.

Em Sumaré, apenas um representante no Legislativo: Joel. Americana foi a única das cinco cidades da RPT que não conseguiu eleger um membro do PSD.

Vice-presidente nacional do partido e coordenador da sigla na Região Administrativa de Campinas, Guilherme Campos apontou que o PSD buscou trazer nomes fortes na região.

“Conseguimos trazer bons nomes. Políticos com histórico de vida pública, que gostam da política, que vão estar trabalhando em prol das suas cidades. É uma característica do PSD. Trazer nomes que tenham gosto pela vida pública”, disse Campos.

Candidato do PSD, Dr. José perdeu as eleições em Santa Bárbara – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

A única “tristeza” foi pela derrota de Dr. José em Santa Bárbara. “Das pesquisas até o resultado final, uma surpresa muito grande. E depois perder por tão pouco. A grande surpresa negativa foi em Santa Bárbara e a positiva em Nova Odessa”, comentou.

Um dos “alvos” do partido é o prefeito reeleito de Sumaré, Luiz Dalben (Cidadania). Campos disse que ele já foi convidado para integrar a sigla, mas ainda não houve desfecho.

“Vamos aguardar os próximos acontecimentos”, comentou Campos. A assessoria de Dalben foi questionada sobre o tema, mas não se manifestou.

Publicidade