Júri de motorista que matou ciclistas é marcado para outubro

Hyoran Gabriel Alves de Oliveira estava bêbado e sem CNH dirigindo pela Bandeirantes; advogado vai pedir adiamento


O juiz da 1ª Vara Criminal de Limeira e do Júri da mesma comarca, Rogério Danna Chaib, marcou para o dia 10 de outubro o julgamento do técnico de informática Hyoran Gabriel Alves de Oliveira, 21, que atropelou dois ciclistas da região em um acidente na SP-348 (Rodovia dos Bandeirantes), em Limeira, em julho de 2017.

O advogado do réu, que vai à júri popular por homicídio com dolo eventual (quando uma pessoa assume o risco de comenter um crime, apesar de não desejar) pretende pedir o adiamento. O motivo é que o profissional já tem audiência marcado com outro cliente na mesma data agendada.

Foto: Divulgação / Facebook
Diogo de Faria e Marcio Bechis foram atropelados por Hyoran Gabriel Alves de Oliveira

Bêbado e sem habilitação, Hyoran dirigia o carro que atingiu as bicicletas de Márcio José Bechis, 47, de Nova Odessa, e Diogo Cia de Faria, 38, de Americana. Ele ficou preso de julho de 2017 até março deste ano, quando o ministro Rogério Shietti Cruz, do STJ (Supremo Tribunal de Justiça), aceitou um pedido de habeas corpus.

O TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo) acolheu no dia 3 de abril um recurso da defesa e excluiu do processo duas qualificadoras para o crime. Na prática, isso reduz a pena mínima a que ele pode ser condenado de 12 para seis anos de prisão.

Em despacho no dia 26 de agosto, o juiz Chaib agendou o júri para o dia 10 de outubro, às 13h10, em Limeira. Entretanto, o advogado de defesa Mauro Atui Neto pretende apresentar um pedido de adiamento do julgamento sobre o caso.

Foto: Lucas Claro / rapidonoar.com.br
Bêbado e sem habilitação, ele dirigia o carro que atingiu as bicicletas de Márcio José Bechis e Diogo Cia de Faria

“No dia 10 eu tenho um compromisso de um réu preso que foi agendado anteriormente. Eu vou pedir a redesignação desse júri. Provavelmente não vá acontecer ainda. O juiz vai ter que analisar o meu pedido e provavelmente vai ser adiado”, afirmou Mauro, que preferiu não adiantar qual será a linha de defesa adotada.

Morador de Itu, Hyoran tinha vindo para a casa de um amigo de Americana na noite anterior. Os dois foram para uma balada e ele bebeu, segundo relato do próprio. Depois dormiu por cerca de quatro horas na casa do amigo. Quando acordou, pegou a SP-348. Ele alega ter se perdido e por isso foi parar em Limeira. Ainda em juízo, Hyoran declarou que teve um apagão e não se lembra do acidente.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora