12 de agosto de 2020 Atualizado 13:05

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Em Nova Odessa

Em confusão, Omarzinho atira contra carro, relatam testemunhas

Empresário, filho do prefeito Omar Najar, teria disparado para o alto, mandado que um carro fosse queimado e atirado contra o veículo em Nova Odessa, no sábado

Por Marina Zanaki

05 jul 2020 às 17:35 • Última atualização 06 jul 2020 às 16:17

Durante uma confusão no Kartódromo Internacional de Nova Odessa neste sábado (4), o empresário Abdo Omar Najar Neto, filho do prefeito Omar Najar (MDB), teria disparado para o alto, mandado que um carro fosse queimado, atirado contra o veículo e ameaçado quem tentou apagar as chamas.

O empresário, que é conhecido como Omarzinho, foi reconhecido por testemunhas. O veículo incendiado pertencia ao membro de uma equipe de Jundiaí, a QG Racing.

Omarzinho teria sido reconhecido por testemunhas – Foto: Arquivo / O Liberal

De acordo com a advogada Alessandra Simonete, que representa a equipe, os pilotos não conheciam Omarzinho, mas testemunhas que estavam no kartódromo indicaram o empresário como o autor dos disparos.

A equipe foi ouvida na delegacia e o empresário foi reconhecido por foto mostrada aos pilotos que se envolveram na confusão.

A advogada disse que a confusão teve início quando um jovem – que seria filho de Omarzinho – foi ultrapassado por veículos da equipe. Ele acertou um dos carros da QG Racing, fazendo com que o veículo capotasse.

Imagens do carro queimado circulam pelas redes sociais desde sábado – Foto: Reprodução

O piloto teve ferimentos sem gravidade. O jovem que acertou o veículo saiu do local e retornou com outros seis homens.

Nesse momento, teve início uma briga. O pai do jovem que acertou o veículo – que foi reconhecido por testemunhas como Omarzinho – chegou ao local na sequência em um carro modelo BMW X6.

Ainda de acordo com o relato da advogada, ele atirou para o alto, mandou um dos mecânicos queimar um dos veículos da equipe de Jundiaí e disparou seis vezes contra o carro. Duas pessoas tentaram apagar o fogo com extintores, mas foram ameaçadas por ele.

Depois disso, ele fugiu no veículo X6. A equipe de kart anotou as placas e passou à polícia. O caso foi registrado no Plantão Policial de Nova Odessa como disparo de arma de fogo e dano.

OUTRO LADO

Em sua página no Facebook, Omarzinho postou uma foto de seu filho com ferimento no rosto e ensanguentado.

“Se seu filho fosse espancado injustamente com soco inglês por 15 homens acima de 30 anos junto com seus amigos que estavam se divertindo num kartódromo, você faria o quê? Então não julguem antes de escutarem os dois lados”, escreveu o empresário.

Omarzinho fez postagem sobre o ocorrido – Foto: Reprodução

Em contato com a reportagem do LIBERAL na noite deste domingo, o advogado de Omarzinho, Pablo Verner de Oliveira Brito, afirmou que seu cliente não cometeu crime algum e ainda evitou uma “barbárie”, agindo em defesa do filho, que teria sido espancado.

INVESTIGAÇÃO
Após o registro do boletim de ocorrência, um inquérito policial foi aberto para investigar o caso. Delegado responsável pelas investigações, Claudio Eduardo Nogueira Navarro disse que ainda trabalha na identificação dos autores.

“Não estou investigando ainda pessoas, até porque o registro da ocorrência foi feito sem que as partes citassem o autor. Não posso dizer ainda quem seria sequer um suspeito, isso depende que se façam provas. Nesse momento vou investigar o evento e buscar a autoria do evento”, disse Navarro ao LIBERAL, neste domingo.

A delegada seccional de Americana, Martha Rocha de Castro, confirmou à reportagem que Omarzinho foi procurado para ser ouvido pela Polícia Civil, mas não foi localizado.

Questionada se a polícia já sabe se Omarzinho foi autor dos disparos, a delegada disse que ainda não tinha “garantias” em afirmar isso.

“Mas pelo uso do carro, quem estava usando o carro, com certeza o delegado vai chegar na autoria, e pelo reconhecimento após. Então vamos agilizar esse inquérito policial para que o mais tardar esta semana, ou dois ou três dias, consiga determinar a autoria. Ou por reconhecimento fotográfico, mas também tem que partir da identificação da placa do veículo e quem estava utilizando”, disse a delegada.

A perícia do Instituto de Criminalística esteve no local. Foram encontradas 11 cápsulas, segundo a advogada da equipe.

Em relação à placa do veículo X6, a delegada disse que não pertencia a Omarzinho ou ao seu filho. “Segundo informações que me foram passadas, não estaria no nome de nenhum dos dois”, disse.

Em 2013, Omarzinho foi preso por ter atirado contra um radar de trânsito na Avenida Nossa Senhora de Fátima. Na ocasião, ele utilizou uma espingarda calibre 12.

VEÍCULO
O carro queimado era um Chevy 500 de colecionador. O proprietário do veículo, um operador de máquinas de terraplanagem de 49 anos, que pediu para não ser identificado, calcula que já tinha investido R$ 45 mil no carro.

“Estou chateado, porque eu não tinha nada a ver com o assunto, mas só porque a placa era de Jundiaí ele mandou tacar fogo no carro. Falou para o mecânico dele, apontando arma: taca fogo que tô mandando, pago você pra isso”, contou.

Veículo incendiado era um carro de colecionador – Foto: Reprodução

O Kartódromo de Nova Odessa foi procurado neste sábado e domingo pela reportagem, mas não quis se pronunciar.

PREFEITO
Em nota, a assessoria do prefeito Omar Najar disse que ele não tem qualquer envolvimento ou participação no caso.

“Vale destacar que se trata de uma questão de ordem particular, sem qualquer ligação com o Poder Executivo e que não cabe a essa assessoria comentar ou se posicionar sobre o suposto ocorrido”, afirmou a assessoria.

Colaborou Maíra Torres

Podcast Além da Capa
Por quais razões a recomendação de manter o isolamento social permanece como a maneira mais difundida no combate ao novo coronavírus, mesmo com mais de 100 dias de quarentena e com a retomada da produção econômica em curso?