21 de abril de 2024 Atualizado 01:22

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Nova Odessa

Vacas são mortas e furtadas no IZ e pesquisador alerta para risco de consumo da carne

Bovinos eram usados em pesquisas sobre doenças e podem trazer sérios riscos à saúde humana e de outros animais

Por Cristiani Azanha

25 de novembro de 2023, às 17h29 • Última atualização em 26 de novembro de 2023, às 10h08

Criminosos invadiram o IZ (Instituto de Zootecnia) de Nova Odessa e furtaram quatro vacas, na última sexta-feira (24). Os bovinos, que foram abatidos, eram utilizados para cursos e em pesquisa de campo sobre sanidade animal e produção de leite. As cabeças dos animais foram abandonadas na unidade.

Animais foram mortos e os corpos foram furtados no IZ de Nova Odessa – Foto: Divulgação

Luiz Carlos Roma Júnior, diretor do Centro de Pesquisas de Bovinos Leiteiros do instituto, que é vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, afirma que a carne estava imprópria para consumo, tanto de humanos como também para qualquer outro animal. Em caso de abate, as carnes dos bovinos seriam incineradas.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

“As vacas foram sensibilizadas para reações para alguns tipos de doenças, entre elas algumas relacionadas ao trato reprodutivo. Dessa forma, se mulheres consumirem a carne, podem correr risco de aborto, e homens podem ficar estéreis. Também tinha animal que era estudado para tuberculose”, alerta o pesquisador.

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

Segundo ele, o furto das vacas comprometeu o ciclo da pesquisa, que era realizada diariamente. “Para chegar nesse estágio do estudo, a gente estava estudando desde os avós, pais e agora tudo foi perdido. Teremos que começar do zero. Muito mais do que prejuízo o financeiro, a nossa perda é com o tempo de pesquisa”, completa o diretor.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região.

OUTRO CASO

Em outubro de 2016,  criminosos furtaram um rebanho com 44 novilhas da unidade, que eram estudados sobre a produção de um tipo de leite que não causa alergia.  

Na ocasião, os bandidos estouraram um cadeado, estacionaram um caminhão e levaram os animais.

Publicidade