16 de maio de 2021 Atualizado 23:07

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Atenção!

Depois de Americana, Nova Odessa alerta para golpe da falsa fiscalização sanitária

Vigilância Sanitária não faz ligações para empresas ou residências agendando visitas

Por Heitor Carvalho

23 abr 2021 às 11:19 • Última atualização 23 abr 2021 às 11:20

Depois da Vigilância Sanitária de Americana alertar a população sobre a prática do golpe da falsa “fiscalização” na semana passada, foi a vez da Prefeitura de Nova Odessa emitir o mesmo aviso nesta quinta-feira (22).

Segundo o comunicado, o golpe é praticado via telefone celular em nome da Vigilância Sanitária do município. Trata-se de um falso agendamento de fiscalização. O órgão ressalta, no entanto, que não faz ligações para empresas agendando visitas.

“Estão usando o nome da Vigilância Sanitária e ligando para os estabelecimentos, dizendo que estão ‘agendando visitas’. Em seguida, falam que o Google vai enviar um código e pedem para a pessoa falar o número do mesmo. É um golpe. Informamos que a Vigilância Sanitária não liga agendando fiscalização”, resumiu a coordenadora do órgão municipal, Méria Brito de Jesus.

A orientação é que, ao receber este tipo de ligação (e antes de informar qualquer código recebido por mensagem), o cidadão anote o número do telefone, o nome de quem está falando e informe que vai confirmar a veracidade da informação junto à Vigilância Sanitária do município, através do telefone (19) 3466-1905.

Outros

O funcionamento é muito parecido a diversos outros golpes que visam “sequestrar” o número de celular e WhatsApp, como o golpe da falsa pesquisa sobre medidas de prevenção ao coronavírus, detectado em Americana, e o da “falsa vacinação”, cujo alerta foi dado recentemente pela Fundação Procon de São Paulo.

Através de denúncias nas redes sociais, o Procon-SP detectou que o golpe consiste em disparos de mensagens de um suposto representante do “Ministério Público da Saúde” solicitando a conferência de recebimento de protocolo via mensagem de texto e seu respectivo reenvio por SMS.

Após a resposta ao texto recebido, são enviados ao cidadão softwares espiões responsáveis por copiar as senhas de acesso do usuário; possibilitando, assim, o cometimento de inúmeros crimes patrimoniais.

De acordo com o diretor executivo do Procon-SP, Fernando Capez, o cidadão tem que ficar atento a esse tipo de mensagem e verificar junto às instituições oficiais.

“Claramente trata-se de contato falso, de um representante de órgão público que sequer existe, solicitando cadastramento em campanha de vacinação fora dos padrões anunciados pelo Estado”, concluiu.

Publicidade