04 de julho de 2020 Atualizado 22:26

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

SAÚDE

Com estrutura pronta, UBS de Nova Odessa começa a funcionar em dois meses

Unidade construída e mobiliada pelo Governo do Estado vai atender moradores de seis bairros

Por André Rossi

05 jun 2020 às 14:41 • Última atualização 05 jun 2020 às 17:06

A UBS (Unidade Básica de Saúde) “Abiganilda Chrisóstomo Belini”, do Jardim Nossa Senhora de Fátima, em Nova Odessa, deve começar a funcionar em dois meses. A estrutura está pronta e foi entregue nesta sexta-feira (5) para a prefeitura.

Prefeito Bill (esq.) e o secretário de Saúde, Vanderlei Cocato, vistoriam estrutura da UBS – Foto: Prefeitura de Nova Odessa / Divulgação

Essa é a sétima unidade básica de saúde da cidade, que recebeu investimento de R$ 3 milhões do Governo Estadual. O prédio fica na Rua Alexandre Bassora e vai atender moradores dos seguintes bairros: Triunfo, Terranova, Fibra, Santa Luiza 1 e 2, e o próprio Nossa Senhora de Fátima.

A entrega das chaves foi realizada por representantes da Secretaria de Saúde do Estado. A UBS recebeu o nome de uma antiga servidora da Saúde.

O secretário de Saúde, Vanderlei Cocato, destacou a estrutura técnica da unidade. “É a maior UBS de Nova Odessa, com amplos consultórios, sala de vacina, sala para dispensa de medicamentos, enfermaria, banheiros totalmente acessíveis, enfim, estamos oferecendo uma estrutura cada vez melhor para os usuários da rede pública”, comentou.

Além de construir o prédio, o governo estadual também mobiliou a UBS através do programa “Saúde em Ação”. Os móveis já começaram a chegar e serão montados por uma empresa contratada pela prefeitura.

A previsão é de que a unidade comece a atender a população em até dois meses. “Em 2018, nós entregamos a nova UBS 5, que fica no Jardim Alvorada, também dentro deste programa do governo estadual. Só que essa UBS aqui no Jardim Nossa Senhora de Fátima é ainda maior. Um pequeno hospital, posso dizer”, afirmou o prefeito Benjamin Bill Vieira (PSDB).

Podcast Além da Capa
O novo coronavírus representa um desafio para a estrutura de saúde de Americana, assim como outros municípios da RPT (Região do Polo Têxtil), mas não é o primeiro a ser encarado. H1N1, dengue, malária, febre maculosa. Outras doenças também modificaram rotinas, exigiram cuidados além do trivial – ainda que não tenha havido quarentena, como agora – e servem de experiência para traçar paralelos com o atual cenário. Nesse episódio, o editor Bruno Moreira conversa com a repórter Marina Zanaki, que assina uma série de reportagens sobre outras epidemias em Americana.