Abertura de CP contra Bill será votada nesta segunda

Principal argumento para pedir a cassação do prefeito de Nova Odessa é o fato do tucano ter sido denunciado pelo Ministério Público na semana passada


O pedido de abertura de CP (Comissão Processante) contra o prefeito Benjamin Bill Vieira de Souza (PSDB), em Nova Odessa, será votado pelos vereadores na sessão da câmara desta segunda-feira (6). O pedido foi protocolado pelo médico Nivaldo Luís Rodrigues, o Dr. Nilvado (sem partido), que foi candidato a vice-prefeito em Nova Odessa pelo SDD na eleição de 2016.

O principal argumento para pedir a cassação de Bill é o fato de o tucano ter sido denunciado pelo Ministério Público na semana passada, conforme revelou o LIBERAL, por desvio de dinheiro da prefeitura e uso de documento público adulterado para beneficiar seu assessor de gabinete e amigo de infância Divair Moreira.

Foto:
Bill e Divair: prefeito foi denunciado por desvio de dinheiro da prefeitura

A abertura ou não da comissão ocorre por maioria simples de votos dos vereadores. Caso seja aceita, a CP seria formada por três parlamentares escolhidos por sorteio. O prazo total para concluir os trabalhos e elaborar o parecer final, pela procedência ou improcedência da acusação, é de 90 dias.

A Procuradoria pede a perda do cargo, já que Bill custeou com dinheiro público em 2015 as despesas médicas do amigo, que faleceu no mesmo ano. Os pouco mais de R$ 45 mil foram devolvidos. “A gente não vê ele como uma pessoa para nos representar, não tem moral nem legitimidade para estar nos representando”, diz Dr. Nivaldo.

Por meio da assessoria de imprensa da prefeitura, Bill relacionou o pedido de abertura de CP ao atual momento político. Também voltou a negar qualquer irregularidade no caso denunciado pelo Ministério Público.

“Estamos há um ano das eleições municipais e posso dizer que é até normal que pedidos como esse surjam neste momento. Por outro lado, ressalto que venho conduzindo a prefeitura com muita seriedade e transparência desde o primeiro dia, e eu vou provar com muita tranquilidade que não houve qualquer tipo de irregularidade ou prejuízo para a administração no caso da internação do pastor Divair Moreira”, disse o prefeito, em nota.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora