03 de março de 2021 Atualizado 15:10

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

REUNIÃO

Sindicato dos servidores espera ‘mais respeito’ em negociação por reajuste em Americana

Direção do sindicato dos servidores se reuniu com o prefeito nesta terça-feira para uma visita de cortesia

Por André Rossi

06 jan 2021 às 07:58 • Última atualização 06 jan 2021 às 10:05

Presidente do SSPMA (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Americana), Antonio Adilson Bassa Forti, o Toninho Forti, disse que espera “mais respeito” da prefeitura nas negociações pelo reajuste salarial na administração do prefeito Chico Sardelli (PV).

As partes se reuniram nesta terça-feira (5) para uma visita de cortesia. As demandas do órgão só serão apresentadas após assembleia da categoria, que deve ser convocada na semana que vem.

Chico recebeu representantes do SSPMA nesta terça-feira – Foto: Prefeitura de Americana / Divulgação

Em 2020, não houve reajuste salarial para os servidores de Americana. A justificativa do governo Omar Najar (MDB) foi de que não era possível nenhum tipo de reajuste por conta da queda na arrecadação provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Em entrevista ao LIBERAL, Toninho falou sobre a perspectiva de negociação com a nova administração. A data base da categoria é 1º de março.

“Nós esperamos que, nesse ano, as negociações transcorram num clima de mais responsabilidade, de mais respeito ao servidor. Depois da assembleia nós vamos apresentar. […] A expectativa é de que o respeito ao servidor público seja resgatado”, comentou Toninho.  

Chico postou uma foto da reunião nas redes sociais. Na publicação, ele disse que a prefeitura vai analisar todas as possibilidades para oferecer melhorias aos servidores.

“Afinal, são eles que cuidam da prefeitura e de toda cidade”, destacou o prefeito.

Questionado pelo LIBERAL sobre um eventual reajuste, o chefe do Executivo seguiu a linha de que é necessário analisar a situação econômica. Uma comissão deve ser formada na prefeitura para discutir o assunto.

“Se for legal e estiver dentro da nossa realidade financeira, vamos trabalhar para viabilizar”, afirmou Chico.

Publicidade