12 de junho de 2024 Atualizado 22:46

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Especial São Benedito

São Benedito, o santo cozinheiro

Até mesmo quando a crise existia, onde estava Benedito de alguma forma nunca faltava alimento, conta a história do santo

Por Paula Nacasaki

29 de setembro de 2022, às 17h18 • Última atualização em 30 de setembro de 2022, às 14h04

Padre Alex Sandro Turek diante da imagem de São Benedito, ao lado do altar da igreja no Colina - Foto: Divulgação

São Benedito, que significa abençoado, é um santo católico considerado o padroeiro da cozinha. Ele, que realizou o milagre da multiplicação de alimentos, também é apontado como operador de outras dádivas, como diversas curas, elevações do corpo pela fé, até a ressuscitação de um conde e dois meninos, entre outros fatos místicos.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

São Benedito nasceu de uma promessa, a de ser livre. Seus pais foram tirados da Etiópia, na África, e vendidos como escravos na Itália. Após serem comercializados, viveram na ilha de Sicília, perto de Messina.

O casal não desejava ter filhos, pois não queria que seus descendentes sofressem as dores da escravidão, entretanto, o senhor das terras prometeu aos pais do santo que, se tivessem herdeiros, o primeiro não seria escravo. E assim o fez, Benedito nasceu livre.

Por ser negro e viver na Itália, Benedito era alvo de muitas provocações. Apesar disso, nunca se revoltou e sempre encontrou nas orações o conforto para seguir as tradições religiosas que recebera de seus pais.

Em um certo dia, o líder dos eremitas franciscanos, frei Jerônimo Lanza, viu alguns garotos destratando Benedito, por conta da cor de sua pele. Sentindo em seu coração a santidade do jovem, ele interveio e disse: “Hoje caçoais desse negrinho, mas amanhã ouvirão maravilhas dele”. O frei convidou Benedito para fazer parte da congregação, o que foi aceito prontamente.

Aos 21 anos, Benedito seguiu o frei Jerônimo para o convento, onde esteve a maior parte do tempo servindo na cozinha, entregando amor por meio das refeições. Até mesmo quando a crise existia, onde estava Benedito de alguma forma nunca faltava alimento.

Mesmo sem estudo e analfabeto, seus ensinamentos de oração, humildade e simplicidade foram passados por gerações. Benedito morreu aos 65 anos, em 4 de abril de 1589. Seu corpo segue até hoje, mais de 400 anos após sua morte, incorrupto, guardado em uma urna que fica na igreja Santa Maria de Jesus, na Itália.

Celebração. São Benedito foi canonizado em 24 de maio de 1807 pelo papa Pio VII. Apenas no Brasil o santo é celebrado em 5 de outubro, devido a uma deferência canônica, concedida à CNBB (Confederação Nacional dos Bispos no Brasil), que permitia a mudança na data. Nos demais países, o santo é celebrado em 4 de abril, data de sua morte.

A alteração do dia no território brasileiro faz referência a outro santo muito querido no País, São Francisco de Assis, que é festejado em 4 de outubro e que, assim como Benedito, também assumiu os votos de pobreza, obediência e castidade.

São Benedito foi canonizado em 24 de maio de 1807 pelo papa Pio VII – Foto: Marcelo Rocha – Liberal.JPG

Figura mística. São Benedito é um dos mais místicos dos santos. Tem em sua trajetória muitos momentos enigmáticos. Um deles foi quando um bispo de Palermo visitou o convento onde o religioso estava. Ele era o responsável por servir o almoço. Neste dia, porém, Benedito estava tão tomado em oração com Nossa Senhora, de quem era devoto, que se estendeu nas preces. Os frades ficaram apavorados, imaginando que não daria tempo de servir a visita tão ilustre.

São Benedito então disse aos colegas: “Fiquem tranquilos, tudo vai ficar pronto na hora certa, os anjos de Deus me ajudarão”. E de fato, segundo a história, os frades testemunharam que ele era auxiliado por anjos e a comida saiu rapidamente e de boa qualidade, recebendo elogios inclusive do bispo.

Outro momento misterioso foi quando em uma procissão, enquanto carregava a cruz em madeira, Benedito entrou em êxtase em oração e seu corpo flutuou, cena presenciada por muitos religiosos.

Outro ato emblemático, ao presenciar alguns frades desperdiçando pães, Benedito disse: “Não desperdicei as coisas, é o sangue dos pobres”. E ao apertar o alimento, os religiosos viram jorrar sangue. 

SÍMBOLOS

Menino Jesus
Muitas pessoas que conviveram com o santo afirmaram que em suas orações ele conversava diretamente com Maria, mãe de Jesus, e, por conta dessa devoção, foi a própria imaculada que em diversos diálogos entregava o menino Jesus para que São Benedito o carregasse. A história também conta que a criança no colo simboliza dois meninos aos quais ele ressuscitou.

Terço
São Benedito rezava o rosário todos os dias e este item nas mãos do santo simboliza seu espírito de oração profunda.

Publicidade