28 de fevereiro de 2024 Atualizado 16:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Notícias que Inspiram

Rosa do Bem: a história de uma flor e seus anjos

Quando ações impactam vidas e transformam coisas difíceis em novas oportunidades

Por Jucimara Lima

04 de dezembro de 2023, às 08h09 • Última atualização em 04 de dezembro de 2023, às 08h10

Receber o diagnóstico de um câncer não é uma notícia que alguém queira ouvir. Contudo, está comprovado que saber da presença da doença com antecedência e iniciar precocemente o tratamento pode ser sinônimo de cura, algo que aconteceu com a proprietária da Seo Fritz, Mara Grings, com a arquiteta Rommy Bragaglia e, que se tudo der certo, também acontecerá com a aposentada Giane Aline Reami, de 53 anos.

A história das três mulheres se cruzou em outubro, quando Giane ganhou um quarto reformado, assinado por Rommy, em uma promoção da loja Seo Fritz, feita com apoio de vários parceiros, em prol de uma das mulheres que estão em tratamento contra o câncer, por meio do Instituto Rosa do Bem.
Mais que sorte, Giane considera a reforma em seu quarto como um presente para fechar um ciclo e acredita que foi coisa de Deus.

Giane (à esquerda, no fundo) fez questão de conhecer seu novo quarto vestindo a camisa do Rosa do Bem – Foto: Claudeci Junior / Liberal

“Nunca fui de ganhar nada e confesso que a ficha demorou a cair. Não dá nem vontade de sair do quarto. Ficou maravilhoso, muito melhor do que sonhei”, contou.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Segundo Rommy, por experiência própria, ela quis fazer algo leve, que trouxesse paz e tranquilidade para Giane. “É o que a gente mais precisa nesse momento, né? Como eu já passei por isso, eu entendo bem, consigo me colocar no lugar dela. No caso da Giane, é muito importante esse sentimento, porque ela está se recuperando, está indo bem. E a gente tem fé que tudo vai se concluir. Desejo que ela tenha a mesma felicidade que eu”, comentou a arquiteta.

Diagnóstico

Moradora do Zanaga desde a infância, Giane se aposentou cedo devido a um problema de visão. Casada, mãe de dois filhos adultos e avó de um casal, ela sempre se preocupou com a saúde. Desde que a campanha Rosa do Bem começou, em 2011, Giane se inscreve para fazer os exames gratuitos, mas, em 2020, devido à pandemia, acabou perdendo a data.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região.

“Sempre tive um carocinho na mama que falavam que era uma calcificação, contudo, em 2021, ele cresceu e deu que era câncer. Quando descobri, foi um baque”, emocionou-se.

Imediatamente, Giane começou o tratamento e em três meses já havia feito a cirurgia no Hospital do Amor, em Barretos. “Foi tão rápido que nem deu tempo de ficar sofrendo. Além disso, a Fernanda [Maria Fernanda Meneghel, presidente do Instituto Rosa do Bem] dá uma assistência muito boa pra gente.”

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

Atualmente, Giane faz o acompanhamento, indo para o terceiro ano. “Continuo fazendo mamografias e ultrassons apenas por precaução.”

Envolvida nas atividades do Rosa do Bem, Giane ressaltou a importância de poder trocar experiências com as outras “flores”. “Passamos pela mesma batalha, mas eu senti de um jeito, outra de outro, então é bom conhecer outras histórias e principalmente apoiar quem está chegando.”

Razões para apoiar

Desde o ano passado a loja Seo Fritz, em Americana, apoia a causa, tanto com a reforma de um ambiente para as “flores”, quanto oferecendo, juntamente com a parceria da Azimuth e da Petri Planejados, 2% do que é vendido no mês de outubro para as ações do Rosa do Bem.

“A gente vê o brilho dessas pessoas, a luz delas e a satisfação, a alegria que fica. Aí, também sentimos o quão pequeno somos e o quanto a gente consegue fazer o bem para as pessoas com pequenos atos”, disse Christiano Grings, proprietário da loja.

Ainda assim, outra razão que incentiva a família Grings a vestir essa camisa é o fato de terem sentido na pele o impacto de um câncer.

No início da década de 90, recém-casados e sem filhos, Christiano e a esposa Mara vieram do Sul para Americana. Pouco tempo depois, ela descobriu a doença.

“Não conhecia ninguém aqui. Graças a Deus, na casa ao lado tinha um casal maravilhoso que adotou a gente como amigo, filho, irmão. Ela me indicou o ginecologista dela e eu comecei o tratamento. Ao todo, foram 23 radioterapias”, recordou Mara.

Para ela, saber o que é passar por um tratamento também motivou o desejo de ajudarem na causa. “Essa campanha é tão bonita e a gente sabe o que é passar por isso, então, muitas vezes eu me coloquei no lugar delas, e quando tivemos a oportunidade de contribuir, abraçamos a ideia.”

Feliz com a parceria, para Maria Fernanda Grecco Meneghel, presidente do Instituto Rosa do Bem, a atitude é admirável e merece ser divulgada.

“A família toda é maravilho e as motivações também. Seu Christiano, dona Mara são pessoas que vieram para Americana, com uma simplicidade, prosperaram, cresceram e quiseram fazer algo pela cidade, assim como eu também. Fico muito feliz de o universo ter nos unido para esse encontro. Desejo que continuem assim, porque o bem que a gente faz, volta pra gente”, finaliza. 

Publicidade