25 de maio de 2024 Atualizado 17:29

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Consumo

Procon de Americana realiza pesquisa de preços de arroz e alerta sobre limite de compra

Por causa das enchentes no RS, órgão recebeu queixas de restrição de limite de compra por CPF e de aumentos de preço

Por Redação

14 de maio de 2024, às 18h52

O Procon de Americana realizou uma pesquisa de preços de pacotes de cinco quilos de arroz, de 25 marcas diferentes e em sete supermercados da cidade, nesta terça-feira (14). Com as enchentes sofridas pelo Rio Grande do Sul, importante polo produtor deste cereal no País, o órgão municipal recebeu queixas de restrição de limite de compra por CPF e aumentos de preço.

Enchentes no Rio Grande do Sul levaram consumidores a se preocupar com estoques de arroz – Foto: Imagem de KamranAydinov no Freepik

“Surgiram relatos de racionamento e de presumível alta no preço do arroz, fato que levou a uma corrida dos consumidores aos supermercados da região em busca do produto, o que gerou certo alvoroço por receio da falta da mercadoria nas prateleiras”, explicou o diretor da Unidade de Defesa do Consumidor, Estevão Luis Cardoso Pavan.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

O maior preço encontrado foi de R$ 39,90, enquanto o menor valor foi de R$ 25,50. Marcas diferentes, com produtos com suas próprias especificidades e características, podem provocar essa diferença nos preços.

O Procon alerta que não há necessidade de fazer estoque da mercadoria, pois o aumento da demanda é o que pode gerar a alta de preços e, consequentemente, a escassez. Aproximadamente 85% da safra do grão produzida no Rio Grande do Sul já havia sido colhida, como foi informado pelo governo federal. Houve, ainda, a emissão de medida provisória para importação em caso de necessidade.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região!

O artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor determina que o fornecedor não pode condicionar a venda de produtos ou serviços a limites quantitativos sem justa causa. Todavia, a limitação pode ser válida a fim de garantir o acesso do produto a todos os consumidores, evitando a falta do item, desde que previamente informado na gôndola.    

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

“O órgão de defesa do consumidor solicita aos estabelecimentos que não apliquem reajuste no valor do produto em função do ocorrido e alerta que a prática é passível de instauração de processo administrativo, e que pode levar o caso ao Ministério Público”, afirmou Pavan.

O Procon de Americana orienta os consumidores a guardarem a nota fiscal e que procurem a unidade para registro de reclamação, caso necessário. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h. O órgão fica nas dependências do Paço Municipal (Avenida Brasil, nº 85) e o telefone é o 151.

As notícias do LIBERAL sobre Americana e região no seu e-mail, de segunda a sexta

* indica obrigatório

Publicidade