Padre Sérgio propõe Consciência Negra como feriado religioso

Ideia do petista é substituir o feriado municipal de Dia de Finados em 2 novembro pela Consciência Negra em 20 de novembro


Foto: Marcelo Rocha / O Liberal
A justificativa do vereador para a troca é que finados já é um feriado nacional

Um projeto de lei do vereador Padre Sérgio (PT) pretende instituir o Dia da Consciência Negra como feriado religioso em Americana. Para isso, o texto sugere a alteração da lei municipal 939, de 10 de março de 1969, que traz os quatro feriados religiosos atuais da cidade.

A ideia é retirar o feriado municipal de Dia de Finados em 2 novembro e colocar a Consciência Negra em 20 de novembro no lugar. O projeto ainda está em tramitação na câmara. O texto original não previa a substituição, mas foi modificado após um parecer contrário da Comissão de Justiça e Redação.

A lei da década de 1960, sancionada pelo então prefeito Abdo Najar, declarou como feriados municipais a Sexta-Feira Santa (que antecede o Domingo de Páscoa), Corphus Christi (11 de junho), Dia de Santo Antônio (13 de junho) e Dia de Finados (02 de Novembro).

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp. Envie uma mensagem para ser adicionado na lista de transmissão!

Cada município pode ter até quatro feriados religiosos através de lei municipal. A justificativa do vereador para a troca é que finados já é um feriado nacional.

“Em Americana estava como municipal. Foi por isso que a gente deu caráter religioso (para Consciência Negra). Ele (feriado nacional de finados) continua existindo e a gente pede o dia 20 de novembro para Consciência Negra como feriado religioso. É nesse sentido que a gente fez a substituição”, explicou Padre Sérgio.

Das cinco cidades da RPT (Região do Polo Têxtil), Americana é a única na qual não é feriado. A data é uma referência à morte de Zumbi dos Palmares, que foi símbolo da luta pela liberdade do povo afro-brasileiro.

“Na época que Zumbi foi assassinado, a religião católica era oficial. Quem se rebelava como Zumbi era perseguido até ser morto. Eles também praticavam sua religião e eram perseguidos e mortos. Era obrigado, assim que descia do navio negreiro, a ser batizado, era um absurdo. Era obrigado a negar sua religião. Por isso que estamos entrando num espaço de feriado religioso, que preserva suas religiões e a gente deixa finados como um feriado nacional”, argumentou o petista.

Além da Capa, o podcast do LIBERAL

A edição desta semana do podcast “Além da Capa” aborda a substituição da mão de obra de pessoas mais velhas por outras mais novas na RPT (Região do Polo Têxtil), em 2019. Ouça:

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora