24 de fevereiro de 2024 Atualizado 17:40

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Americana

Pacientes fazem filas em postos para receber vacina contra gripe

Ministério da Saúde liberou as doses para toda a população

Por Marina Zanaki

04 de junho de 2019, às 07h31

No primeiro dia de liberação das vacinas contra gripe para toda a população, postos de saúde de Americana registraram fila. As unidades de saúde com maior movimento na cidade foram Jardim São Paulo, São Vito, Antônio Zanaga e Vila Mathiensen.

A Secretaria de Saúde informou que não possui os dados sobre doses aplicadas nesta segunda-feira. A cobertura dos grupos prioritários na cidade está em 66%, longe da meta de 90% do Ministério da Saúde.

Foto: Governo do Estado de São Paulo
As doses estavam disponíveis apenas para os grupos considerados prioritários

Ainda de acordo com a pasta, o governo estadual informou sobre a ampliação da aplicação da vacina, mas indicou que não haverá envio de mais doses aos municípios. Até a semana passada, a cidade contava com 15 mil doses da vacina. Elas estão disponíveis em todas as UBS (Unidades Básicas de Saúde) de segunda à sexta-feira, das 8 às 16 horas.

Durante a campanha, encerrada na sexta-feira em todo o País, as doses estavam disponíveis apenas para os grupos considerados prioritários, aqueles que têm maior probabilidade de sofrerem complicações ao contrair a doença. O Ministério da Saúde determinou a liberação das doses restantes à população.

Quem faz parte do público-alvo e ainda não se protegeu também pode procurar uma unidade de saúde. A diferença é que as doses não serão mais reservadas somente aos grupos prioritários. Em Americana, os grupos com menor cobertura são os portadores de doenças crônicas (41%) e crianças (55%). Por outro lado, os idosos (79%), seguidos de gestantes, puérperas e professores (todos 69%) alcançaram a maior proteção.

“Tomar a vacina mantém o organismo mais resistente contra os principais vírus. A imunização não tem contraindicação”, disse a secretária de Saúde de Hortolândia, Odete Carmem Gialdi.

As prefeituras de Hortolândia, Nova Odessa, Santa Bárbara e Sumaré não informaram sobre as doses que foram aplicadas.

Publicidade