Orla da Praia Azul passará por revitalização

Benfeitorias foram anunciadas ontem; previsão é de conclusão em até 180 dias e valor não foi divulgado


Foto: João Carlos Nascimento - O Liberal.JPG
Aguapés estão sendo retirados e orla ficará interditada para barcos e motos aquáticas por 40 dias

A orla da Praia Azul será revitalizada pela Prefeitura de Americana. As benfeitorias foram anunciadas nesta sexta-feira pela Secretaria do Meio Ambiente e incluem a ampliação da faixa de areia, criação de uma área de lazer com churrasqueiras e playground, reforma dos banheiros, iluminação de led e recapeamento. A previsão é que o projeto esteja concluído entre 150 e 180 dias.

O custo das benfeitorias não foi revelado. Segundo o secretário de Meio Ambiente, Odair Dias, são várias secretarias envolvidas e o valor ainda não está fechado.

Em entrevista coletiva, ele destacou que as melhorias no local são uma reivindicação antiga e incluem a retirada de aguapés naquele ponto. Em função disso, desde ontem, a orla está interditada para barcos e motos aquáticas.

A interdição vai vigorar por 40 dias. Segundo Odair, ela é necessária para evitar acidentes durante a retirada dos aguapés. Uma faixa chamando atenção para a proibição foi fixada na faixa de areia, mas onde ainda era possível ver lancha e moto aquática na água, ao lado das máquinas que trabalham na remoção do aguapé.

LIMPEZA. O secretário do Meio Ambiente informa que, diariamente, três hectares ou 30 mil metros quadrados da planta estão sendo retirados da Represa do Salto Grande. Segundo ele, a frente de trabalho foi reforçada nesta semana com mais uma equipe. O objetivo é aproveitar a época de estiagem – quando a planta se reproduz com menos rapidez – para acelerar a limpeza e evitar sua proliferação na área.

Desde que o trabalho começou a ser feito, 12 mil caminhões de aguapés foram retirados da represa, segundo informou Daniel Daibert, gerente de Meio Ambiente da CPFL Renováveis. Ele também esteve na coletiva e garantiu que até outubro – dois meses antes do prazo fixado inicialmente – a área de aguapés estará limitada a 100 hectares.

Todo o volume retirado está sendo levado para uma área da CPFL Renováveis, onde a planta é desidratada e usada posteriormente para adubação do solo. O aguapé que permanecerá na represa será retido numa área de contenção (delimitada por uma corda) próximo à Praia dos Namorados. O objetivo é evitar que seja espalhado pelo vento e volte a ocupar outras áreas do reservatório.

Mesmo cumprindo a meta de reduzir os aguapés a 100 hectares, a CPFL Renováveis ainda tem o desafio de implantar o manejo ideal da planta.

Daniel informou que a empresa enviou projeto nesse sentido à Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e aguarda o órgão se manifestar. Entre as alternativas propostas está a liberação dos aguapés pela comporta do Salto Grande.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora