24 de outubro de 2020 Atualizado 16:58

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

ELEIÇÕES 2020

MDB estadual destitui direção do partido em Americana e Ondas fala em ‘golpe’ para eleger tucano

Vereador e pré-candidato a prefeito, Ondas afirma que medida foi tomada depois que se recusou a retirar a candidatura para apoiar o PSDB

Por Leonardo Oliveira

09 set 2020 às 11:02 • Última atualização 16 out 2020 às 10:45

O diretório estadual do MDB (Movimento Democrático Brasileiro) destituiu a executiva do partido em Americana, que era comandada pelo secretário municipal de Cultura Fernando Giuliani. O comando da sigla passa para o deputado estadual Itamar Borges.

Até então, o partido já se planejava para as eleições deste ano, com convenção marcada para o próximo domingo, e tinha o vereador Alfredo Ondas como pré-candidato a prefeito.

Ao LIBERAL, Ondas disse que a medida se tratou de um “golpe” para eleger alguém por “eliminação de concorrência”.

Na semana passada, o diretório local do MDB foi consultado pelo comando do partido na capital para que a sigla em Americana abandonasse a ideia de lançar um candidato a prefeito nas eleições municipais para apoiar o pré-candidato do PSDB, Rafael Macris.

Essa informação foi confirmada ao LIBERAL por Ondas e por Giuliani na manhã desta quarta.

Para Ondas, a destituição da executiva local, feita por decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), aconteceu justamente porque houve a negativa em apoiar o partido tucano.

O vereador e pré-candidato a prefeito em Americana, Alfredo Ondas – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

“Nós vamos brigar pelo que é nosso por direito. Não é certo, não é justo que acordos de cúpula visem retirar a concorrência de um outro pré-candidato. Estão querendo eleger alguém por falta de concorrente, isso não é certo, não é democrático”, disse o vereador ao LIBERAL.

Ondas afirmou ainda que não houve uma justificativa formal para a destituição e que não pôde se defender.

“Existiu uma sondagem para que nós retirássemos nossa pré-candidatura em favor de um outro candidato, que não é do partido nosso. Não faz sentido a gente ser obrigado a trabalhar por alguém que não é do interesse nosso, não é do interesse da cidade”, completou Ondas.

Segundo Giuliani, os membros do partido em Americana preparam uma ação na Justiça para tentar reverter o quadro.

“De uma forma ou de outra nós temos os nossos candidatos a vereadores que também já estão bem alinhados para a campanha e vamos tentar reverter essa situação”.

Questionado se acreditava que a decisão do diretório estadual aconteceu porque houve a recusa de apoiar Rafael Macris, Giuliani negou.

“Não posso afirmar, mas houve essa consulta e nessa consulta nós falamos que o partido sairia com chapa própria”.

A reportagem tentou contato com o MDB estadual pelo telefone disponibilizado no site oficial, mas as ligações não foram atendidas.

Resposta tucana

Em nota, o PSDB local afirmou que as conversas para tentar o apoio do MDB sempre aconteceram com a presença dos líderes locais da sigla, como o prefeito Omar Najar, e que os “eventuais imbróglios internos de outros partidos” não dizem respeito ao PSDB.

Confira a nota do PSDB na íntegra

O diretório municipal soube da referida intervenção pela imprensa. O partido já manifestou várias vezes, inclusive publicamente, o desejo de ter o apoio do MDB nas eleições deste ano.

A imprensa vem noticiando este fato desde 2018. Porém, as conversas dos representantes locais do PSDB sempre aconteceram também com os líderes locais do MDB, como o prefeito Omar Najar e outros nomes da sigla na cidade.

Em virtude da boa administração que o prefeito vem fazendo nos últimos seis anos e da aliança firmada nas duas últimas eleições, o apoio do MDB, caso se concretize, será muito bem-vindo. Porém, eventuais imbróglios internos de outros partidos não dizem respeito ao PSDB.

Publicidade