05 de junho de 2020 Atualizado 13:01

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Americana

Fevereiro teve menor número de roubo de veículo já registrado em Americana

Estatísticas da Secretaria de Segurança do Estado mostram patamar inédito de registros de assaltos a motoristas no município

Por George Aravanis

29 mar 2020 às 08:37

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal_6.2.2020
Capitão Antonio Carlos Rugero Filho diz que, com base no mapeamento dos crimes, tem direcionado os policiais para os locais com mais ocorrências

Americana registrou em fevereiro dois roubos de veículo. É o mês com o menor número de crimes do tipo ao menos desde 2002, quando o Estado começou a contabilizar as estatísticas das ocorrências.

Os dados são da SSP (Secretaria Estadual da Segurança Pública). Na semana passada, a pasta divulgou os dados mais recentes da violência em território paulista.

Em comparação com janeiro, a queda é de 88%. No primeiro mês de 2020, 17 veículos foram roubados. Em relação a fevereiro de 2019, houve redução de 81% – naquele mês foram 11 casos.

O roubo é o crime no qual o ladrão leva o carro ou a moto da vítima mediante violência ou ameaça, com ou sem arma, por exemplo.

Não entram nessa conta os furtos de veículos. Esse crime acontece quando uma pessoa estaciona o carro, por exemplo, e ao voltar não o encontra mais.

Houve 99 furtos de veículos em fevereiro, o mesmo número de janeiro. Em relação a fevereiro de 2019, quando houve 65 casos, o crescimento foi de 52%.

O capitão Antonio Carlos Rugero Filho, comandante da 1ª Companhia da Polícia Militar em Americana, diz que, com base no mapeamento dos crimes, tem direcionado os policiais para os locais com mais ocorrências.

Os agentes também saem munidos de informações, o que acredita que ajuda a evitar os crimes.

“Cada equipe da PM sai para o patrulhamento sabendo os locais, horários, principais delitos e modus operandi de infratores que atuam em determinada região ou bairro”, disse ao LIBERAL.

Rugero crê que ações pontuais, como operações contra desmanches ilegais, e a integração com as demais forças de segurança também ajudam.

Delegado da DIG (Delegacia de Investigações Gerais), José Donizeti de Melo afirma que o esclarecimento de roubos inibe a ação criminosa.

No início do ano, a DIG anunciou que resolveu 30 roubos registrados desde o fim do ano passado, dentre eles, casos que tiveram como alvos casas, comércios e veículos.

“A impunidade é que gera muito aumento de crimes. Ao contrário disso, a repressão e a prisão diminuem”, comentou o delegado.