Ex-alunos do Colégio Vocacional tentam viabilizar museu

Americana tinha uma das seis unidades do Estado extintas há 50 anos pela ditadura militar; movimento tenta preservar a história


Considerado como um dos modelos mais avançados de ensino do País durante a década de 1960, o Sistema de Ensino Vocacional foi extinto pela ditadura militar no dia 9 de dezembro de 1969 por ser considerado “subversivo” e divulgador de propaganda comunista. Agora, perto do ato completar 50 anos, ex-alunos e professores da unidade de Americana, uma das seis que existiram no Estado, articulam a criação de um museu para manter viva a história da instituição.

Um dos responsáveis pelo movimento é Clorivaldo Devera, que foi aluno da primeira turma do Colégio Vocacional de Americana, em 1962. A escola funcionava na Rua Duque de Caxias, na Villa Santa Catarina, onde hoje funciona a Escola Estadual João XXIII.

Foto: André Rossi / O Liberal
Clorivaldo Devera, José Ângelo Pompeo e João Baptista Alves

“Estamos fazendo um trabalho para resgatar esses documentos. Já temos hoje uma sala onde está tudo lá dentro. A ideia do museu está embrionária ainda. Estamos aguardando uma colega, que era do Masp (Museu de Arte de São Paulo), que vai atuar junto”, disse Clorivaldo.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp

A principal característica do Colégio Vocacional era ir além do conteúdo expositivo das escolas tradicionais e ensinava o aluno com a prática. Porém, um ano antes de ser fechado, problemas internos na unidade entre professores dispensados e a direção causaram o esvaziamento do modelo.

Um dos professores dispensados chegou a divulgar uma carta na qual dizia que a “subversão” sempre ocorreu no ensino vocacional, além de relacionar o sistema com o comunismo. Foi o bastante para que os militares começassem a investigar a instituição.

Ouça o “Além da Capa”, um podcast do LIBERAL

Quem estava diretamente envolvido no dia a dia do Vocacional desmente a tese. O ex-professor José Ângelo Pompeo, que entrou no Vocacional em 1964 e lecionava a extinta disciplina de práticas comerciais, ressalta que o colégio incentivava o senso crítico dos estudantes e não tinha pudor em dizer a verdade.

“Você vai mostrar a realidade para aluno, mostrar a favela, mostrar a miséria que tinha nos acampamentos agrícolas. Se isso aí era ser subversivo, então nós éramos subversivos mesmo. Era mostrar a realidade”, afirmou Pompeo, que também está envolvido na organização de documentos para o vindouro museu.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora