04 de julho de 2020 Atualizado 08:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Covid-19

Em vistoria, comitê constata que casa de idosos adotou medidas de prevenção

Casa de repouso Flor de Liz registrou a morte de duas idosas no sábado e tem mais seis residentes contaminados pela doença, além de duas funcionárias

Por André Rossi

26 Maio 2020 às 07:53 • Última atualização 26 Maio 2020 às 11:05

Integrante do comitê de crise contra o novo coronavírus (Covid-19) em Americana, o médico infectologista Arnaldo Gouveia visitou a casa de repouso Flor de Liz, no bairro Santa Cruz, e constatou que todas as medidas de precaução estão sendo tomadas.

Seis moradores da casa de repouso testaram positivo para o novo coronavírus, segundo boletim divulgado nesta segunda-feira. Estes seis novos casos são de um idoso de 77 anos, três idosas de 81, 84 e 91 anos e outras duas idosas de 92 anos. O mesmo abrigo registrou a morte de duas idosas no último sábado.

Prefeitura divulgou nesta segunda-feira oito novos casos do novo coronavírus na casa de repouso Flor de Liz – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

Além disso, duas funcionárias da casa de repouso também foram confirmadas com a doença. Trata-se de uma profissional de saúde de 31 anos, moradora de Americana, e outra funcionária, de idade não divulgada, que não vive na cidade.

Como as visitas estavam suspensas desde o início de abril, a principal suspeita do comitê é de que o vírus tenha entrado no local através de um funcionário assintomático.

“Muito provavelmente, um dos funcionários que trabalha lá estava [contaminado], não sabia e começou [a proliferação]”, disse Gouveia. “Alguns funcionários testados vieram com anticorpos presentes, mostrando que já tinham sido expostos antes à infecção”, explicou.

De acordo com a prefeitura, todos os novos casos positivos da casa de repouso estão em isolamento domiciliar, com exceção de dois idosos: uma mulher de 81 anos, internada em hospital particular, e outra de 92 anos, também em hospital particular, mas por outra doença diferente da Covid-19.

A primeira vítima fatal no abrigo foi uma residente de 69 anos que estava internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) de um hospital particular desde o dia 14 de maio e faleceu às 2h25 do último sábado. A mulher fazia tratamento de câncer e era hipertensa. O resultado positivo para Covid-19 saiu no dia 18 de maio.

Já a segunda vítima, uma mulher de 71 anos, também estava internada numa UTI particular e morreu às 18h20 de sábado, mesmo dia em que o exame ficou pronto. Ela apresentava quadro de demência e arritmia.

De acordo com uma profissional de enfermagem do abrigo, que pediu para não ser identificada, todas as precauções estão sendo tomadas para conter a proliferação do vírus.

“Infelizmente isso [vírus] entrou aqui com uma pessoa assintomática. Provavelmente… não sei como entrou. Ficou uma semana aí, contraíram e agora estamos cuidando deles com todas as precauções. Estamos observando eles como se fosse um hospital. Tudo que é necessário nós estamos fazendo”, disse ao LIBERAL.

A reportagem não conseguiu contato com o proprietário da clínica até o fechamento desta edição.

Balanço

Segundo o boletim epidemiológico deste segunda-feira, Americana chega 94 pacientes positivos para a doença. Deste total, 62 já estão curados.

O quadro da doença na cidade é o seguinte:

  • 94 casos positivos
  • 6 mortes
  • 4 internados
  • 22 em isolamento domiciliar
  • 62 curados
  • 14 casos suspeitos à espera de exames
  • 460 casos descartados

Podcast Além da Capa
Solidariedade e apoio aos necessitados marcam a luta contra o novo coronavírus (Covid-19) nas periferias da RPT (Região do Polo Têxtil). O LIBERAL visitou moradores do acampamento Roseli Nunes e da favela Zincão, em Americana, e da ocupação Vila Soma, em Sumaré, e observou como eles se unem para enfrentar as dificuldades provocadas pela pandemia. Nesse episódio, o editor Bruno Moreira recebe o repórter André Rossi, que esteve nas comunidades, para repercutir essa apuração.