29 de junho de 2022 Atualizado 12:02

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

AMERICANA

Caminhão estoura fios no Centro e causa transtornos para comércios

Alguns estabelecimentos ficaram sem internet e telefone; CPFL diz que responsabilidade é das empresas ocupantes

Por Stela Pires*

24 de maio de 2022, às 18h46

Um caminhão estourou fios de energia enquanto passava pelo cruzamento das ruas Doutor Cândido Cruz com a Doze de Novembro, no Centro de Americana, no início da tarde desta terça-feira (24). Alguns comércios próximos ficaram sem internet e telefone.

De acordo com comerciantes, alguns postes da região central da cidade foram trocados na semana passada e, após as trocas, os fios de companhias de telecomunicações ficaram baixos em relação aos de energia.

Fios caíram após a passagem de um caminhão – Foto: Marcelo Rocha / O Liberal

A região foi alvo de reportagem na última segunda-feira (16), quando os comércios também ficarem sem internet e telefone após os serviços de troca realizados pela CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz).

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

“Eles vêm [a CPFL], aumentam só os fios deles e nos demais não mexem”, disse o empresário Kelvyn do Nascimento Lejne, que tem uma gráfica próxima ao cruzamento onde os fios estouraram.

Junto aos fios, algumas estruturas de metal que ficam nas laterais dos postes também cederam e uma delas atingiu um carro.

Em nota, a CPFL informou que o compartilhamento da estrutura dos postes com as empresas de telecomunicações é uma obrigação das distribuidoras de energia, conforme estabelecido pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

No entanto, a responsabilidade pela manutenção de toda a infraestrutura de telecomunicação, incluindo cabos, é exclusiva da empresa de telecomunicação ocupante, que deve manter os cabos dentro dos padrões estabelecidos pela Aneel.

A concessionária informou ainda que acionou as empresas ocupantes envolvidas na ocorrência desta terça, para que regularizem a situação em campo. A companhia também enviou uma equipe até o local para elevar os cabos e melhorar a forma de amarração.

*Estagiária sob supervisão de Guilherme Magnin.

Publicidade