02 de março de 2021 Atualizado 22:34

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Fruta

Quem ainda não provou tem até o final do mês para apreciar a lichia

Ela é uma excelente fonte de vitamina C e rica em ferro, cálcio, fibras e potássio; possui propriedade anti-inflamatória

Por Redação

19 jan 2021 às 10:26

Os supermercados estão com as prateleiras cheias de uma frutinha que caiu no gosto dos brasileiros, a lichia. Originária da China, a fruta pode ser encontrada nos pontos de comercialização até o final de janeiro, quando termina sua colheita.

A lichia previne os problemas cardíacos, atua no controle da pressão arterial e melhora a saúde intestinal – Foto: Divulgação

A época de colheita tem início em novembro e vai até meados de fevereiro. É uma fruta muito usada em decoração de Natal, mas são o seu sabor adocicado e aroma que vêm conquistando cada vez mais consumidores.

Há muita demanda para a fruta in natura, mas também em polpas, para sucos e sorvetes, compotas e minimamente processadas, em embalagens próprias.

Nutricionistas da Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios (Codeagro), da Secretaria, afirmam que a lichia é uma excelente fonte de vitamina C e rica em ferro, cálcio, fibras e potássio.

Possui propriedade anti-inflamatória, por meio disso previne os problemas cardíacos, atua no controle da pressão arterial e melhora a saúde intestinal. Sua polpa gelatinosa é adocicada, de agradável sabor e pode ser consumida in natura ou em sucos.

Curiosidades sobre a lichia

  • A lichieira é originária da China, na sua região subtropical da província de Guangdong. O termo “litchi” ou “Li-zhi” vem do dialeto chinês e originariamente significava a propriedade de “ser destacada do galho”. Com o tempo, se descobriu que esse nome também se referia à propriedade de ocorrer uma rápida deterioração dos frutos após a colheita.
  • Possui nutrientes essenciais e micronutrientes, bem como diversos minerais, dentre eles o potássio, magnésio e fósforo, e vitaminas como riboflavina (B2), niacina (B3) e tiamina (B1) e, especialmente, vitamina C, além de ter atividade antioxidante.
  • Em média, cada 100g de lichia contêm cerca de 65 calorias. Seus valores nutricionais médios são de 0,8g de proteínas, 0,4g de gorduras, 16,3g de carboidratos, 2g de fibras e 10mg de cálcio. Esses valores são médios, tendo em vista a condição de produção de cada cultivar e também de cada espécie. A riqueza de potássio e fósforo na lichia são superiores aos do pêssego, da laranja, da uva, da maçã e do morango. Os teores de fósforo da lichia são comparáveis aos da banana e os teores de vitamina C são comparáveis aos da laranja, do limão, da carambola, da tangerina e do maracujá.
  • Na gastronomia, é utilizada fresca, enlatada, desidratada, processada em sucos, vinhos, licores, picles, aguardentes, caipirinhas, compotas, gelatinas, iogurtes, sorvetes, tortas, bolos e uma série infindável de usos que dependem somente da criatividade.
  • A pitomba, muito consumida no Nordeste brasileiro, possui frutos bastante atraentes e são da sub-família “Nepheleae”, da qual a lichia faz parte. São, por assim dizer, parentes próximas.
  • Os chineses são potenciais importadores de lichia brasileira, uma vez que as datas de colheitas não são coincidentes.
    Fonte: Portal Lichias.com

Publicidade