15 de setembro de 2021 Atualizado 19:24

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Bem-Estar

Puberdade precoce: os sinais, as causas e as consequências

Entrar na puberdade antes da hora pode trazer problemas para as meninas e os meninos. Mas, principalmente com um diagnóstico acertado, há o que fazer nessas situações

Por Alexandre Raith - Agência Einstein

14 set 2021 às 16:17

O acompanhamento médico periódico é essencial para avaliar o desenvolvimento das crianças e dos jovens - Foto: Ivabalk - Pixabay

Entre as transformações típicas da puberdade, observa-se aceleração do crescimento, redistribuição de gordura, aumento da massa muscular, surgimento de pelos de forma mais intensa, desenvolvimento genital. No entanto, tais alterações têm tempo certo para acontecer. O período considerado normal varia entre 8 e 14 anos nas meninas e entre 10 e 15 anos nos meninos. Se esse processo ocorre antes – condição conhecida como puberdade precoce, pode trazer consequências, principalmente se não houver um acompanhamento adequado.

Um dos efeitos mais observados é a baixa estatura. O indivíduo até cresce antes dos colegas, mas pode não chegar ao seu potencial máximo. Com o passar do tempo, ele é ultrapassado pelos amigos.

Além disso, a puberdade precoce prolonga o tempo de exposição das mulheres ao estrogênio, um hormônio feminino. “E isso aumentaria o risco de câncer de mama e de endométrio”, afirma Lorena Lima Amato, especialista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). “Além disso, as mudanças psicológicas típicas da puberdade ocorrem antes do período em que a criança estaria preparada para isso”, completa.

A endocrinologista conta que alterações comportamentais, estirão do crescimento, aparecimento de pelos pubianos e nas axilas e acne antes dos 8 anos no sexo feminino e dos 10 anos no masculino podem ser sinais do início precoce da puberdade. Segundo Lorena, o pelo que acusa o princípio dessa fase da vida é mais espesso, pigmentado e encaracolado.

O acompanhamento médico periódico é essencial para avaliar o desenvolvimento das crianças e dos jovens. Se for necessário, o profissional indicará testes de sangue para dosar hormônios sexuais e exames como a ultrassonografia, que permitem averiguar a evolução de útero, ovários e testículos, além da idade óssea. Já a intervenção terapêutica depende do diagnóstico.

Boa parte dos casos de puberdade precoce não tem uma causa conhecida —especialmente nas meninas. “Nessas situações, geralmente o tratamento consiste em medicamentos injetáveis que bloqueiam a ação de certos hormônios”, explica Lorena.

Certos tumores também podem se instalar perto da hipófise, uma glândula localizada na base do cérebro que produz hormônios que modulam o desenvolvimento das crianças. E, com isso, podem instigar a puberdade precoce. Cirurgias para lidar com esses tumores ajudam a contornar o quadro.

Publicidade