13 de agosto de 2022 Atualizado 22:03

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Bem-Estar

Dia dos Avós: enfrentando as diferenças entre as gerações para construir memórias

Especialista, dá dicas para tornar a convivência enriquecedora e ressalta a importância de eternizar as raízes familiares

Por Pamela Gama – Comunicação Conectada

26 de julho de 2022, às 12h53 • Última atualização em 04 de agosto de 2022, às 11h37

Hoje, 26 de junho comemora-se o Dia dos Avós e o papel das avós e dos avôs para a construção familiar é fundamental, pois além de serem um símbolo de afeto e sabedoria, através de suas influências, surgem as tradições e os costumes parentais.

O Play Pesquisa e Conteúdo Inteligente relatou em seu estudo realizado em 2021, que no Brasil existem aproximadamente 73 milhões de avós, com faixa etária entre os 50 anos até os 80 anos e afirma que esse número é a consequência de que as pessoas estão vivendo mais, por conta de um envelhecimento ativo e saudável. Ou seja, os netos estão convivendo mais com os vovôs e as vovós.

Mas, quando se trata da relação entre avós e netos, alguns fatores podem favorecer ou também dificultar esse relacionamento, por conta da diferença entre gerações. De acordo com a especialista em qualidade de vida na terceira idade e envelhecimento ativo da Senior Concierge, Márcia Sena, “mesmo havendo diferenças entre as gerações, esse relacionamento é de extrema importância para a saúde mental do idoso, pois na terceira idade, uma vida socialmente ativa e próxima dos seus familiares traz diversos benefícios para o idoso. Além de ser uma oportunidade de passar as suas experiências, visto que o idoso tem a necessidade de saber que sua história e legado terão continuidade”, explica.

E esse relacionamento é enriquecedor também para os netos, pois é a oportunidade de aprenderem e conhecerem suas raízes familiares.

Enfrentando a diferença de idade entre avós e netos

A diferença de idade entre avós e netos exige compreensão, pois são duas gerações que viveram e vivem realidades e costumes distintos. Para que haja uma relação afetuosa, Márcia Sena deixa algumas dicas valiosas para os netos:

É importante que tenham paciência com seus avós, pois algumas vezes o ritmo é outro;

Respeitem a opinião deste idoso e a experiência de vida;

Não infantilizar o idoso;

Disponibilizar um tempo de convívio social com qualidade.

Colecionando memórias com os avós

As memórias afetivas, geralmente, não são feitas de grandiosos acontecimentos, mas sim, dos pequenos momentos do cotidiano. Caracterizando-se em recordações repletas de felicidade, carinho, saudade e afeto, que muitas vezes são sentimentos que trazem conforto emocional e bem-estar.

“É importante a convivência com o idoso, pois esses momentos geraram diversas recordações e ensinamentos, que podem perdurar para o resto da vida dos netos. Para os avós, é a segurança que ficará na memória dos seus familiares. Por essa razão, o relacionamento é fundamental para ambos”, afirma Márcia Sena.

Publicidade