28 de setembro de 2021 Atualizado 08:37

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Tóquio-2021

Com Felipe Bardi na equipe, revezamento 4×100 m rasos fica fora da final na Olimpíada

Equipe brasileira terminou a disputa na quinta colocação de sua bateria e na 12ª posição geral na noite desta quarta

Por Guilherme Magnin

05 ago 2021 às 00:55 • Última atualização 05 ago 2021 às 01:17

Não foi de dessa vez. O velocista americanense Felipe Bardi encerrou na noite desta quarta-feira (de Brasília) a sua participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, na disputa da prova classificatória do revezamento 4×100 metros rasos. O time brasileiro ficou na quinta posição em sua bateria e, mesmo levando em conta o tempo marcado, acabou superado pela Alemanha, ficando de fora das finais, que ocorrem nesta sexta-feira.

O time brasileiro começou a disputa com Rodrigo Nascimento, que passou o bastão para Felipe Bardi, que deu vez a Derick de Souza. Para fechar, Paulo André Camilo de Oliveira disparou, mas só conseguiu cruzar a linha na quinta posição, fechando com o tempo de 38s34.

Brasil terminou em 12º no geral da prova – Foto: Martin Meissner / Associated Press / Estadão Conteúdo

Mesmo após o resultado, o Brasil ainda tinha chances de classificação pelo tempo, caso o quarto e o quinto colocados da segunda bateria fizessem acima da marca dos brasileiros, o que não ocorreu. A Alemanha ficou com a vaga.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Na classificação geral, o Brasil ficou na 12ª posição na prova. O vencedor da primeira bateria foi o time jamaicano, com o tempo de 37s82, enquanto os chineses venceram a segunda corrida, com a marca de 37s92.

Felipe Bardi foi o segundo a competir pelo Brasil no revezamento 4×100 metros rasos em Tóquio – Foto: Wagner Carmo / CBAt

Após a conquista do Campeonato Mundial de Revezamentos de 2019, também no Japão, os brasileiros eram tidos como favoritos a uma medalha em Tóquio.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Para Felipe Bardi, a disputa significou experiência e aprendizado em sua primeira Olimpíada. O atleta de Americana, que compete pelo Sesi, de São Paulo, ainda disputou as eliminatórias dos 100 metros rasos individual, mas também ficou pelo caminho.

Publicidade