19 de outubro de 2020 Atualizado 17:34

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Televisão

Deborah Secco: perigo na rua pelo personagem

Atriz que voltou aos estúdios de “Salve-se Quem Puder”, se surpreende com sucesso da reprise de “Laços de Família”

Por TV Press

22 set 2020 às 17:08

Uma novela das nove é sinônimo de muito trabalho e rotina intensa. Não à toa, sobra pouco espaço para lazer e folgas. Em “Laços de Família”, que voltou ao ar no “Vale a Pena Ver de Novo” após 20 anos da exibição original, Deborah Secco, por exemplo, tinha poucas oportunidades de ir além dos Estúdios Globo, no Rio de Janeiro. Não só pela carga pesada de gravações, mas também pelas emoções que despertou no público ao viver a venenosa Írís.

A atriz, que completa três décadas de tevê este ano, chegou a apanhar na rua por conta da personagem.

Deborah, que completa três décadas de tevê este ano, chegou a apanhar na rua por conta da sua personagem – Foto: Divulgação

“A Íris foi o primeiro personagem popular da minha carreira. Muitos a adoravam, mas tinha muita gente que a odiava também. Eu apanhei de fato em um supermercado na época da novela. Nunca tinha tido uma recepção tão calorosa das pessoas nas ruas. Sinal de que o trabalho que eu estava fazendo estava indo para um caminho legal”, valoriza.

Na história, Íris era meia-irmã de Helena, papel de Vera Fischer. Após a morte dos pais, ela passa a morar com a irmã no Rio de Janeiro. Ao perceber que Camila, papel de Carolina Dieckmann, está apaixonada por Edu, de Reynaldo Gianecchini, a vilã faz questão de infernizar a vida da filha de Helena.

Inclusive, durante o período em que Camila enfrenta um câncer agressivo. Além de trazer uma série de problemas para Helena, Íris também nutria uma paixão desenfreada por Pedro, interpretado por José Mayer.

“O processo de criação (da Íris) foi um dos mais profundos da minha vida, tentar entender a maneira de pensar e os sentimentos dessa menina… Eu lembro que fiz diversos textos sobre a vida da Íris, recortes e colagens sobre como eu achava que ela era. Participei da construção do figurino, sugeri o macacão, as maria-chiquinhas… Eu achava que ela tinha aquele universo infantil de quem cresce longe da cidade grande”, aponta.

HUMANIDADE
Apesar das atitudes cruéis e destemperadas, Deborah conseguiu encontrar traços de humanidade na personagem. Para a atriz de 40 anos, Íris tinha inúmeras qualidades e defeitos, tendo diversas nuances ao longo da história assinada por Manoel Carlos.

“A Íris tinha uma mistura de sentimentos. Invejosa em alguns momentos, em outros, generosa. Muito apaixonada pela família. Era aquela pessoa que ninguém ama, todo mundo aceita. Quando o pai e a mãe morrem ela vai morar de favor com a irmã, ninguém tem por ela uma afeição genuína de família. Acho que isso tocou muito o público e fez com que ela não virasse só uma vilã”, defende Deborah, que ainda se surpreende com a força da personagem duas décadas depois.

“Fiquei muito feliz em poder reviver ‘Laços de Família’, uma das maiores alegrias que tive na profissão. A Íris mudou a minha vida. Nunca imaginei que ela seria tão lembrada 20 anos depois”, completa.

Quando foi chamada para viver Íris, Deborah já estava há 10 anos na televisão e acumulava algumas personagens de sucesso. Antes da novela de Manoel Carlos, ela tinha chamado a atenção do público na série “Confissões de Adolescente”, de 1994, e “Suave Veneno”, de 1999.

Porém, em “Laços de Família”, Debora viu sua carreira mudar de patamar definitivamente.

“Foi um período maravilhoso, uma das melhores novelas que eu já fiz. Era um elenco e uma equipe muito unida. O elenco virou uma família como no título da novela. Todo mundo era muito junto, muito amigo. Somos próximos até hoje”, afirma a atriz, que já retomou as gravações de “Salve-se Quem Puder”, que tem previsão de reestreia para o ano que vem.

Publicidade