26 de maio de 2024 Atualizado 20:10

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cultura na região

Geek com orgulho: cultura pop tem cada vez mais adeptos

Os chamados "geeks" deixaram de esconder seus gostos pessoais

Por Stela Pires

04 de abril de 2024, às 09h45 • Última atualização em 04 de abril de 2024, às 09h48

No ranking dos dez filmes com maiores bilheterias da história, as obras de ficção científica e de super- heróis dominam, conquistando não só o pódio, mas também oito posições no levantamento da Box Office. O segmento geek – do qual essas produções fazem parte – está em expansão e tem cada vez mais fãs, que deixaram de esconder seus gostos pelo universo da cultura pop.

📲 Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Filmes, séries, livros, games, histórias em quadrinhos, mangás e animes fazem parte do mundo geek, e o aumento do número de adeptos ao universo da cultura pop é observado por lojas do ramo na região.

Danilo Pantojo, proprietário da Avalon, vê o número de adeptos ao universo geek crescer – Foto: Claudeci Junior/Liberal

“Vem crescendo bastante o interesse do pessoal”, disse o proprietário da loja de artigos geek Avalon, Danilo Pantojo. O local realiza partidas de jogos, além da comercialização de colecionáveis, e reúne cerca de 15 participantes toda sexta-feira. 

Ele conta que cada vez mais aparecem novos rostos interessados pelo universo, mesmo movimento que acontece na Geek Collections Games, do Tivoli Shopping.

Um dos principais motivos deste aumento apontado pelas lojas especializadas foi a facilidade de consumir as obras do universo geek.  

“Até tempos atrás era difícil de achar. Acho que com os streamings e redes sociais ficou muito mais fácil de eles terem acesso e consumirem, e a procura acabou aumentando”, disse o gerente da rede de lojas, Alexandre Roszik.

Siga o LIBERAL no Instagram e fique por dentro do noticiário de Americana e região!

O gosto pelo universo da cultura pop invadiu até mesmo o empreendimento familiar dos “Salmazo”. O restaurante Estação Geek, em Americana, surgiu de uma família que já atuava na área de alimentação, porém voltada a eventos e casamentos.

Há cerca de sete anos decidiram entrar para o ramo de restaurantes e, durante a concepção do espaço, os irmãos Renan e Rinaldo decidiram colocar o amor pelo universo geek como temática do lugar. 

A paixão pelo universo geek virou temática do empreendimento familiar dos irmãos Raphael, Renan e Rinaldo – Foto: Marcelo Rocha/Liberal

Os dois sempre foram muito ligados em séries, filmes, jogos e todo o contexto do mundo “nerd”. O espaço reúne artigos de decoração que remetem às mais variadas sagas de livros, séries, filmes e games. Durante a refeição, os fãs do universo se deparam com miniaturas dos Vingadores, faixas das famílias de Game Of Thrones ou um guarda-chuva amarelo fazendo referência a série How I Met Your Mother.

Faça parte do Club Class, um clube de vantagens exclusivo para os assinantes. Confira nossos parceiros!

A recepção do público “foi algo incrível desde o primeiro dia”, de acordo com Raphael.

O diretor de escola Wagner Aguilar Seleghini, de 40 anos, frequentador da Avalon, também sempre esteve inserido na cultura pop. Desde muito cedo ele era ligado ao universo de fantasia e jogos.

“É difícil definir a porta de entrada, pois sempre me vi nesse contexto, não foi uma decisão, uma escolha, é um estilo de vida que sempre esteve em mim”, contou.

Wagner Wakka é geek desde muito novo e não tem vergonha de ser quem é – Foto: Arquivo pessoal

Se fosse para determinar o momento em que aderiu de vez à cultura, ele diria a adolescência, quando conheceu os jogos de RPG (Role-playing game), no qual os jogadores assumem papeis de personagens e criam narrativas.

Wagner lembra que nesse período o preconceito com os “nerds” era visível. “Todos achavam que os geeks eram infantilizados, que não queriam crescer, apenas porque gostavam de desenhos, jogos e etc”.

Hoje ele realmente vê uma mudança em relação aos fãs do universo pop. Ele atribui isso ao fato de que aqueles jovens se tornaram adultos e “provaram” que não são menos maduros por serem quem são.

“Eu já me senti julgado antigamente, hoje não me sinto mais, e acredito que mesmo que fosse, não daria importância”, disse.

As notícias do LIBERAL sobre Americana e região no seu e-mail, de segunda a sexta

* indica obrigatório

Publicidade