24 de setembro de 2021 Atualizado 18:42

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Artigos de leitores

Covardicídio contra as mulheres

Por João Rodella

22 dez 2020 às 08:14

Se algumas ou centenas, não sei. Sei que a princesinha do papai e da mamãe, se se enganou e casou-se com um brucutulino, em pouco tempo para falar ao prepotente, mandão e ditador, às vezes alcoolizado, noutras drogado, tem que colocar armadura e elmo. Se não se apetrechar, antes de dizer o primeiro “a” já será candidata a defunta.

Tal tem sido a sina de muitas mulheres que se casaram alimentando mil fantasias, desejos de felicidade, construção de um lar, companheirismo, rebentos sorridentes e felizes.

A realidade tem sido muito diferente. Quando percebem o inimigo está dentro de casa, dormindo com elas, exigindo o “pátrio poder” na marra. Se contrariarem em algo, são ameaçadas de surras. Se reclamarem, vão transformar-se em “presunto” indo ocupar covas escondidas na mata.

Tão frequente no dia a dia, esse desfecho machista resultará num cadáver, um assassino e em filhos dispersos marcados para sempre.

Não à toa, pais com “princesas” em casa receiam casamentos precipitados pois, como parece que o amor é cego, nenhuma advertência surte efeito, mesmo havendo pistas claras.

Se se casa sem exame pré nupcial físico, o que jamais deveria ocorrer, deveria exigir-se o exame mental para avaliar-se a índole do futuro capataz.
Ou se muda o enfoque e o protocolo desse importante passo social rodeado de sonhos e fantasias, ou o inferno e depois o necrotério serão cada vez mais frequentes e a sociedade, como um todo, mais desgraçada.

P. S. Muitas no cartório quando assinam a certidão, assinam a sentença de morte. Aquelas que se juntam, estão jogando a vida na roleta.

João Rodella, do Espaço Literário Nelly Rocha Galassi

Colaboração

Artigos de opinião enviados pelos leitores do LIBERAL. Para colaborar, envie os textos para o e-mail opiniao@liberal.com.br.