15 de julho de 2024 Atualizado 23:10

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Grupo Liberal Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cotidiano & Existência

A invisibilidade das mulheres

Por Gisela Breno

13 de março de 2024, às 14h24

Em um mundo que clama por igualdade e justiça, há uma sombra insidiosa, que persiste, corroendo os fundamentos de nossa sociedade: a invisibilidade das mulheres.

Embora muitos direitos tenham sido, duramente, conquistados, a realidade é cruel : as mulheres continuam sendo relegadas a um segundo plano, silenciadas pelo peso de séculos de discriminação e desvalorização.

Essa invisibilidade se manifesta de maneiras sutis e devastadoras.

Seus trabalhos são frequentemente subestimados, suas contribuições, minimizadas e sua voz ,abafada pelo ruído ensurdecedor do patriarcado.

Nos lares, são sobrecarregadas com a responsabilidade desproporcional pelo trabalho doméstico e pelos cuidados com os filhos. Na esfera pública, muitas vezes executam papéis secundários, enquanto os holofotes continuam a se concentrar predominantemente em figuras masculinas. Sendo mães, lutam para conciliar a carreira e a maternidade, e sofrem disparidades salariais em relação aos homens ,bem como falta de oportunidades de liderança e discriminações baseadas no gênero.

É hora de reconhecer que uma sociedade, que silencia metade de sua população está fadada ao fracasso. É hora de toda a sociedade reconhecer e enfrentar essas injustiças de frente. Urge a necessidade de se criar espaços onde as vozes e contribuições das mulheres sejam valorizadas e respeitadas e de se promover uma cultura de inclusão e equidade.

Essa luta não é uma opção, mas uma necessidade urgente, que deve ser assumida por toda a sociedade.

Somente através da solidariedade e ação coletiva podemos finalmente dissipar a sombra da invisibilidade e construir um futuro onde cada mulher seja reconhecida por tudo que ela é e representa no tecido social.

Gisela Breno

Professora, Gisela Breno é graduada em Biologia na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e fez mestrado em Educação no Unisal (Centro Universitário Salesiano de São Paulo). A professora lecionou por pelo menos 30 anos.