05 de julho de 2020 Atualizado 21:51

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Fiscalização

Santa Rosa concentra mais da metade dos criadouros de dengue em Nova Odessa

Pneus, tambores e garrafas de vidro estão entre os objetos encontrados pelo setor de zoonoses

Por Leonardo Oliveira

04 jun 2020 às 09:32 • Última atualização 04 jun 2020 às 09:34

O bairro Santa Rosa concentrou mais da metade dos criadouros de dengue recolhidos em Nova Odessa nos primeiros cinco meses de 2020.

Agentes da prefeitura vistoriaram 2.881 imóveis neste período e em 1.221 casas foram encontradas irregularidades. Desse total, 51,4% eram de imóveis do Santa Rosa.

Setor de Zoonoses em trabalho de retirada dos criadouros de dengue – Foto: Prefeitura de Nova Odessa/Divulgação

O balanço foi divulgado pela administração nesta quarta-feira (3). Ao todo, foram recolhidos 35 caminhões de potenciais criadouros do mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão da dengue, zika e a chikungunya.

Só no Santa Rosa foram 18 caminhões. O Residencial Jequitibás foi o segundo em volume de criadouros, com cinco caminhões removidos.

Os mutirões foram realizados nos bairros Mathilde Berzin, Parque Fabrício, Jardim Santa Rosa, Maria Raposeiro Azenha, Residencial Jequitibás e Jardim Bela Vista.

“Temos encontrado de tudo nos quintais. Pneus, tambores com água, lonas, garrafas de vidro e uma série de objetos descartados, sem uso, com grande potencial para a proliferação do Aedes. Em algumas casas, encontramos até larvas do mosquito”, explicou a coordenadora do Setor de Zoonoses, a veterinária Paula Faciulli.

No próximo sábado (6), o Jardim Bela Vista recebe a segunda etapa do mutirão, iniciado no sábado passado (30), com a retirada de um caminhão de materiais de 238 casas do bairro.

“Pedimos aos moradores que colaborem, eliminando objetos que não estão mais sendo usados e possam reter água, mantendo tambores e outras formas de reservação sempre cobertos e aplicando desinfetante uma vez por semana nos ralos do quintal, que também podem se tornar criadouros”, alertou a coordenadora do Setor de Zoonoses.