13 de abril de 2021 Atualizado 22:36

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Sustentabilidade

Campinas firma compromisso com Programa Cidades Sustentáveis

Segundo a prefeitura, programa reafirma intenção de fazer uma gestão com desenvolvimento sustentável

Por Milton Paes

06 abr 2021 às 11:11 • Última atualização 06 abr 2021 às 11:13

O prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), assinou nesta segunda-feira (5) o documento que renova, até 2024, o compromisso de Campinas com o PCS (Programa Cidades Sustentáveis) e com a Agenda 2030 da ONU.

O documento reafirma a posição de Campinas de alinhamento aos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) e relaciona os compromissos assumidos pela gestão, entre eles o de realizar um diagnóstico local com base em indicadores e elaborar o Plano de Metas da cidade, entre outros.

Bosque dos Jequitibás, na região central de Campinas: respiro verde em meio as construções prediais – Foto: Carlos Bassan / Prefeitura de Campinas

Com a adesão, Campinas pode utilizar o selo “Cidade Signatária do PCS” e se tornar uma referência na implementação dos ODS. O secretário do Verde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Campinas, Rogério Menezes, reafirma a intenção de fazer uma gestão planejada e compromissada com as agendas urbanas de desenvolvimento sustentável, o que pode abrir novas possibilidades de acesso a recursos privados e de organismos nacionais e internacionais.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Rogério Menezes lembrou que, há poucos dias, o PCS divulgou o ranking nacional de sustentabilidade, após analisar indicadores de 770 municípios brasileiros.

“A nossa cidade aparece em terceiro lugar entre as que têm mais de um milhão de habitantes, e em 5º lugar, no recorte de cidades com mais de 500 mil habitantes. É um bom desempenho, considerando a complexidade de gestão de cidades de grande porte”, afirmou.

Compromissos assumidos

Outros compromissos assumidos com o Programa Cidades Sustentáveis incluem a construção de diagnóstico do município com base em indicadores qualitativos e quantitativos do PCS; a elaboração do Mapa da Desigualdade da cidade e do Plano de Metas, com as ações e objetivos previstos para os quatro anos de mandato, além da adoção dos princípios da Lei de Acesso à Informação (LAI), da Parceria para Governo Aberto e do Pacto de Prefeitos pelo Clima e a Energia.

Inclui, ainda, a criação de uma comissão municipal para os ODS e para o Programa de Metas, a utilização das ferramentas da Plataforma Cidades Sustentáveis e do Observatório de Inovação para Cidades Sustentáveis.

Publicidade