21 de abril de 2021 Atualizado 00:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Equipamento

Respirador retorna à UTI Covid do Hospital Municipal de Americana

Três respiradores apresentaram problema e precisaram ir para manutenção; 14 dos 15 leitos estão ocupados nesta sexta-feira

Por Marina Zanaki

05 mar 2021 às 18:12 • Última atualização 05 mar 2021 às 18:22

Um dos três respiradores da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Covid do Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi que havia apresentado problema retornou nesta sexta-feira. Os outros dois seguem em manutenção no fabricante e devem retornar na semana que vem.

Com isso, a cidade conta com 15 leitos de UTI Covid para os pacientes na rede pública, dos quais 14 estão ocupados nesta sexta-feira, uma taxa de 93%. A enfermaria do hospital registra 66% de ocupação (de 18 no total, 12 ocupados).

O HM opera no limite da capacidade diante da sobrecarga da pandemia nos últimos dias. A diretoria da Fusame (Fundação Saúde de Americana) informou que poderá chegar de forma gradativa a 20 leitos de UTI e 20 de enfermaria, mas que para isso está providenciando a viabilidade operacional e a contratação de profissionais.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

O hospital contratou 13 profissionais da enfermagem para reforçar a equipe da linha de frente à pandemia. Os profissionais foram contratados por meio da terceirizada Hygea, que já possui contrato com o hospital para fornecimento de mão de obra.

De acordo com o HM, foram investidos R$ 61.211,82 por mês para a contratação dos profissionais, com jornada de 12h por 36h.

Com esse reforço, a ala de Covid-19 conta com nove enfermeiros, 55 técnicos e seis médicos, que atuam em regime de escala nos plantões.

“Nós readequamos essa ala e estamos operando no limite. O momento exige da população o máximo de cuidado, evitando aglomerações e fazendo uso de máscara, porque nós precisamos evitar o contágio. Não basta somente ampliar leitos; temos que focar na causa da doença e não apenas em seus efeitos”, apelou o superintendente da Fusame, José Carlos Marzochi, na quinta-feira.

Publicidade