25 de novembro de 2021 Atualizado 07:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

B&G Cred

Quarteto acusado de pirâmide financeira pela B&G vira réu

Denúncia do MP foi aceita pela Justiça e três suspeitos estão presos; empresa tem filial em Americana

Por Rodrigo Alonso

25 nov 2021 às 07:20 • Última atualização 25 nov 2021 às 07:43

Quatro pessoas viraram rés pelo esquema de pirâmide financeira que teria sido praticado pela empresa B&G Cred, que tem uma filial em Americana, na Avenida Brasil.

A Justiça de Santa Fé do Sul aceitou no último dia 19 uma denúncia feita pelo MPSP (Ministério Público do Estado de São Paulo) contra o quarteto.

Três dos acusados estão presos preventivamente: Eduardo Bercelli Mendes, diretor e fundador da B&G; Murilo Dantas de Oliveira, apontado pelo MP como o responsável pelas expansões e organizações das filiais; e Carolina Corrêa, que seria a pessoa por trás do controle das contas e do fluxo de caixa.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Paula Cristina Gambatti, que fazia a função de Carolina anteriormente, segundo o MP, também chegou a ser detida, mas foi solta ao final do prazo de sua prisão temporária.

A Justiça considerou que, como ela já não fazia mais parte da empresa desde julho de 2020, não havia elementos que justificassem uma eventual conversão em prisão preventiva.

Mesmo em liberdade, ela vai responder pelos mesmos crimes dos outros três, que são: organização criminosa, crime contra economia popular, crime contra o consumidor e ainda falsidade ideológica.

Empresa do ramo financeiro, a B&G Cred captou um total de R$ 38 milhões de seus clientes, para os quais prometia retorno de 5% sobre o valor investido, de acordo com a denúncia apresentada. As operações começaram em 2019 e seguiram até este ano.

A PF (Polícia Federal) prendeu os acusados no último dia 11, durante operação que teve quatro mandados de prisão e 23 de busca e apreensão cumpridos em Americana, Santa Fé do Sul, Santa Clara d’Oeste, Votuporanga, Bebedouro, Araçatuba, Casa Branca, Santana de Parnaíba e também São Paulo.

Na mesma semana, Eduardo e Murilo tinham vindo a Americana atrás de dois clientes, que poderiam investir R$ 40 milhões e R$ 1 milhão na empresa, respectivamente. Eles se reuniriam com um no dia 10 e com outro no dia 11.

A Polícia Federal, inclusive, pretendia prender Eduardo e Murilo em Americana, mas os dois deixaram a cidade às 21 horas do dia 11 e viajaram para a capital, onde acabaram detidos.

Procurado pela reportagem, o advogado da dupla, Rogério Cury, afirmou que só poderá se manifestar sobre as acusações após ser notificado, o que ainda não teria acontecido.

O LIBERAL também deixou recado no escritório da defesa de Carolina, porém não teve retorno. Os representantes de Paula não foram encontrados para falar sobre o assunto nesta quarta-feira.

Confira como a situação vem se desenrolando:

11.nov
PF prende Eduardo e Murilo em São Paulo, Paula em Santana de Parnaíba e Carolina em Santa Clara d’Oeste. Em Americana, agentes apreendem documentos na B&G Cred da Avenida Brasil

16.nov
Justiça determina bloqueio de R$ 75 milhões em bens de empresas e sócios ligados à B&G Cred, após pedido feito pela Promotoria de Santa Fé do Sul, cidade onde a maioria dos investigados reside

19 nov.
Os quatro acusados viram réus e vão responder por organização criminosa, crime contra economia popular, crime contra o consumidor e falsidade ideológica

Publicidade