Obras liberam 100% dos caminhos internos do parque

Após obras, visitantes conseguem ter acesso aos 120 mil metros quadrados de belezas naturais e aos 94 recintos do parque


Foto: Marcelo Rocha - O Liberal
Estrutura do Parque Ecológico de Americana atrai moradores locais e de outros 70 municípios

Os 120 mil metros quadrados que compõem o Parque Ecológico de Americana estão à disposição dos seus visitantes depois de uma série de intervenções e melhorias. Os 12 quilômetros de caminhos internos foram desobstruídos e estão liberados à circulação dos frequentadores.

“Permitir que o público volte a caminhar pelo parque, tendo a chance de passar por todos os recintos, é uma conquista que nos deixa muito feliz”, comemora o secretário de Cultura e Turismo, Fernando Giuliani.

Responsável pela administração do parque, o secretário explica que vários pontos permaneciam com a passagem bloqueada há cinco anos porque precisavam de reformas.

“Uma série de benfeitorias permitiu que, aos poucos, o parque voltasse a ter todos os acessos desbloqueados. O último trecho que faltava era o da ariranha. Com a sua conclusão, atingimos os 100%”, completa.

Além de liberados, os caminhos foram recapeados. A nova pavimentação era um dos desejos dos visitantes.

“Boa parte das mudanças promovidas na estrutura do parque é resultado de sugestões e pedidos do público”, destaca Fernando.

Foto: Reprodução
Construção de novos sanitários é uma obra que atende a um pedido antigo dos visitantes

A construção de novos conjuntos de banheiros também reflete um pedido dos frequentadores. Segundo o secretário, a falta de sanitários próximos ao playground e à praça de alimentação – onde estão sendo construídos os novos conjuntos –, era uma reclamação antiga.

“Para atender toda a área do parque só havia um conjunto de banheiros. Para quem vem com criança, a distância dificultava”, ressalta.

A obra começou no início de setembro e a previsão é que esteja pronta ainda neste ano.

Outra reivindicação atendida foi a pavimentação da praça de alimentação. O local foi remodelado oferecendo mais conforto ao público.

RECINTOS. As trilhas internas do parque levam aos 94 recintos. Desde o ano passado, 11 deles foram reformados ou receberam melhorias.

Neste período, também aconteceu o desassoreamento das lagoas do jacaré-do-pantanal, jacaré-de-papo-amarelo, flamingos e dos primatas, o maior deles.

Foram retirados dali, 807 caminhões de barro num total de 6.456

metros cúbicos. “Todas as benfeitorias e reformas que estamos fazendo, desde o ano passado, estão sendo possíveis graças à bilheteria. A cobrança de ingresso é fundamental para que isso continue e novas melhorias sejam feitas”, cita Fernando.

Ainda de acordo com o secretário, a resposta do público é gratificante. “Os comentários são sempre positivos e apesar de todas as críticas recebidas quando o parque iniciou a cobrança, oficialmente não tivemos nenhuma reclamação”.

Foto: Prefeitura de Americana
Prefeito Omar Najar e o secretário Fernando Giuliani acompanharam as etapas das obras

INVESTIMENTO. O prefeito Omar Najar destaca que “o Parque Ecológico chega aos 35 anos em meio a muito esforço da prefeitura para tornar o espaço cada vez melhor para os animais que lá estão e para os visitantes. Creio que temos feito um grande trabalho no espaço, que representa muito para toda a região, graças ao compromisso de preservação assumido e demonstrado todos os dias. Parabéns a todos que tornam o parque cada vez melhor.”

Ariranha volta de Sorocaba após 6 anos

Foto: Marcelo Rocha - O Liberal
Jhonny voltou na última quarta-feira para um espaço totalmente reformado

Entre os 11 recintos reformados pelo Parque Ecológico está o da ariranha. Seis anos após ter sido transferido ao zoológico de Sorocaba, Jhonny voltou na última quarta-feira para um espaço totalmente reformado. As placas de vidro e o paisagismo chamam a atenção dos visitantes pela beleza, mas o determinante para a reforma foi o bem-estar do animal.

“Temos a preocupação de manter o parque como um local atrativo aos visitantes, mas o bem-estar dos animais é a nossa prioridade”, ressalta o secretário de Cultura e Turismo, Fernando Giuliani. Segundo ele, o local está alinhado ao conceito do conservacionismo e vê no abrigo aos animais uma chance de preservar as espécies.

O recinto da ariranha, diz ele, espelha esse objetivo. O local buscou reproduzir nos detalhes o habitat natural da espécie, que corre o risco de ser extinta na natureza. A reforma incluiu itens como a construção de muro de contenção lateral, reforma do abrigo e cabeamento, construção de comporta para o escoamento de água pluvial e adorno de madeira nos pilares de concreto.

O recinto tem 830 metros e as obras começaram há nove meses. O animal tem 17 anos, pesa 22 quilos e come diariamente de três a quatro quilos de peixe. Jhonny veio de Brasília, em 2004, e foi levado para o Parque Ecológico de Sorocaba em 2013, quando o recinto foi interditado. Desde então, aquele trecho do parque também permanecia fechado aos visitantes.

O transporte de Sorocaba para Americana, assim como a adaptação no novo recinto, aconteceram conforme o esperado. A ariranha é uma espécie ameaçada e, por conta disso, o parque está à procura de uma companheira para Jhonny, visando a reprodução em cativeiro.

Parque planeja jardins temáticos

Quatro jardins temáticos serão construídos no Parque Ecológico, entre os quais o do beija-flor (apenas com plantas que atraiam a espécie); da Olívia (onça-parda símbolo do parque); do mico (que ficará perto do recinto dos primatas) e o sensorial.

Segundo o secretário de Cultura e Turismo, Fernando Giuliani, a ideia foi trabalhada em conjunto com o Conselho Municipal de Turismo e a Associação dos Engenheiros e Arquitetos. Ele explica que os quatro projetos estão prontos e na fase de captação de recursos junto a eventuais parceiros. “Esses jardins serão construídos através de parcerias e terão custo zero para o parque, que vai colaborar cedendo a estrutura”, antecipa.

Na avaliação do secretário, os jardins serão um atrativo a mais e deixarão o Parque Ecológico ainda mais interessante aos visitantes de Americana e região, além de cidades distantes (o zoo recebe público de mais de 70 cidades).

Educação ambiental atrai estudantes

Foto: Divulgação
Alunos de todas as faixas etárias, principalmente crianças, compõem boa parte do público que visita diariamente o local

É de pequeno que se aprende a respeitar o meio ambiente, e desde sua fundação, o Parque Ecológico aposta na educação ambiental como ferramenta para formar gerações mais conscientes. Sua tradição na área, atrai estudantes de várias regiões do estado. Nos registros, constam excursões vindas de 70 municípios.

Alunos de todas as faixas etárias, principalmente crianças, compõem boa parte do público que visita diariamente o local.

Foto: Marcelo Rocha - O Liberal
Nucleo de Educação Ambiental conta com auditório para cerca de 50 pessoas e biblioteca para consulta de obras com enfoque em animais silvestres, biologia e veterinária

O zoológico abriga o NEA (Núcleo de Educação Ambiental). O espaço conta com auditório para cerca de 50 pessoas e biblioteca para consulta de obras com enfoque em animais silvestres, biologia e veterinária. Ali também acontecem palestras focadas na preservação da fauna e da flora.

O prédio, todo avarandado, fica ao lado do playground, mas os estudos sobre o meio ambiente não se resumem a esse imóvel. O parque todo é uma grande sala de aula a céu aberto e recebe desde estudantes da pré-escola até pós-graduados.

Recintos reformados

Foto: Marcelo Rocha - O Liberal
Recintos reformados
  • Furão
  • Jacaré-do-pantanal e jacaré-de-papo-amarelo
  • Harpia
  • Urubu-rei
  • Irara
  • Mangusto
  • Pelicano
  • Papagaio-verdadeiro
  • Ariranha
  • Hipopótamo
  • Ilha do macaco-aranha-de-cara-preta

Lagoas desassoreadas

Foto: Divulgação
Lagoas desassoereadas
  • Primatas
  • Jacaré-do-pantanal e jacaré-do-papo-amarelo
  • Flamingo

Melhorias gerais

Foto: Marcelo Rocha - O Liberal
Melhorias gerais
  • Reforma e aquisição de novos brinquedos para o playground
  • Pintura e pavimentação na praça de alimentação, que ganhou também um pequeno palco e bancos, mesas e banquetas feitos a partir de árvores condenadas e erradicadas na cidade
  • Pavimentação de seis mil metros quadrados de trilhas
  • Pintura na bilheteria, administração, cozinha, biotério e NEA (Núcleo de Educação Ambiental)
  • Colocação de 320 metros de novos guarda-corpos de eucalipto com cabo de aço para proteção dos visitantes
  • Aquisição de novos equipamentos
  • Implantação de projeto piloto de enriquecimento ambiental
LIBERAL VIRTUAL Acesse agora